ZARANKIN, Andres.  Arqueologia Histórica Urbana en Santa Fe la Vieja: el Final del Principio. Columbia: The University of South Carolina Press, 1995 (“Historical Archaeology in Latin America”, vol.10). Resenha de: FUNARI, Pedro Paulo A. Varia História, Belo Horizonte, v.12, n.15, p. 199, mar., 1996.

Santa Fe foi fundada em 15 de novembro de 1573, a primeira cidade planejada do Rio da Prata, tendo sido transladada para local menos sujeito a inundações em 1660. Esta cidade foi abandonada e apenas nos últimos anos pesquisas arqueológicas puderam trazer a luz os restos materiais da antiga cidade colonial. O livro de Andres Zarankin procura dar conta desses trabalhos e reinterpretar a História da cidade a partir da cultura material.

A cidade compunha-se de proprietários espanhóis (vecinos) e outros habitantes, tendo chegado a atingir 500 almas, população substancial para a época. A composição étnica da cidade incluía espanhóis, indígenas e africanos e o estudo do material cerâmico permitiu ao autor diferenciar os seguinte tipos: cerâmico importada não hispânica; cerâmica importada hispânica; cerâmica local hispânica e cerâmica local de tradição indígena. O autor estudou a distribuição espacial, no interior da cidade, dos diferentes tipos cerâmicos, e pode notar que a cerâmica local tinha difusão homogênea, enquanto a cerâmica decorada, ao contrario, parece estar em relação com uma particular distribuição de certos grupos sociais na cidade (pp.92-94).

A presença de indígenas na cidade espanhola, em especial de índias concubinas ou esposas, explicaria, naturalmente, a ubiquidade da cerâmica aborígene (p.94). A Arqueologia de Santa Fe apresenta, portanto, um quadro semelhante aquele que foi encontrado nas prospecções na Serra da Barriga, capital do quilombo dos Palmares, sitio contemporâneo, onde a presença de cerâmica indígena parece indicar a importância da mescla cultural nesses primeiros assentamentos coloniais (cf. P.P.A. Funari, The Archaeology of Palmares and its Contribution to the Understanding of the History of African-American Culture, Historical Archaeology in LatinAmerica, 7, 1994, pp.1-41). A Arqueologia Histórica permite, assim, repensar diversas questões relativas a etnicidade dos assentamentos coloniais e apenas a multiplicação de estudos monográficos como este permitirá melhor avaliar a significação de elementos da cultura material indígena em assentamentos coloniais.

Pedro Paulo A. Funari – Departamento de História, IFCH, UNICAMP.

Acessar publicação original

[DR]

 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.