Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil | Luiz Carlos Bresser-Pereira

O livro “Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil” foi escrito por Luiz Carlos Bresser-Pereira e lançado pela editora FGV Editora. Luiz Carlos Bresser-Pereira nasceu em 1934, em São Paulo, foi Ministro da Fazenda em 1985 e Ministro da Administração Federal e Reforma do Estado no governo de Fernando Henrique Cardoso (1999). Ganhou o título de professor emérito da Fundação Getúlio Vargas da qual é professor desde 1959, e é editor da Revista de Economia Política desde 1981.

A obra foi lançada em 2018 e se trata da proposição de um novo projeto desenvolvimentista como uma alternativa ao liberalismo econômico. Em princípio é feito uma abordagem da formação econômica, discorrendo sobre a adoção de investimentos no modo de produção industrial como foco de um projeto de desenvolvimento na década de 1940 a 1950, a estagnação econômica e a perda do projeto de desenvolvimento anterior a partir de 1980 e a adoção de medidas neoliberais como tentativa de retomada do crescimento econômico brasileiro a partir de 1990. O livro conta com uma introdução e sete capítulos. O autor tem forte base teórica em Marx, Weber, clássicos do desenvolvimentismo e Keynes, sendo indiscutível que sua obra tem matiz pós-keynesiana onde o desenvolvimento econômico é determinado pela demanda, acrescido ao argumento a ideia de Bresser-Pereira de que o acesso a essa demanda se daria a partir do controle da taxa de câmbio e da disciplina fiscal. Leia Mais

The Invisible hand?: how market economies have emerged and declined since 500 AD | Bas van Bavel

No ensejo das recentes contribuições da história na discussão sobre a desigualdade, o livro de Bavel aporta com um estudo de fôlego sobre ascensão e declínio das chamadas economias de mercado na longa duração. O tópico da desigualdade econômica e consequente polarização social ganhou a arena pública na década de 2010, em especial com a publicação de The Haves and the Have-Nots: a brief and idyosincratic history of inequality de Branko Milanovic (2010) e logo após o livro de Thomas Piketty Capital in the 21st Century (2013). Ambos os trabalhos de economistas renomados lançaram mão de uma mesma ferramenta para catapultar o debate sobre desigualdade: a história. Para surpresa de muitos historiadores, economistas têm progressivamente utilizado o método histórico na média e longa duração para debater e encontrar origens, nexos causais e idiossincrasias nas desigualdades do capitalismo do século XXI. O livro de Bavel assenta posições do historiador e sua capacidade analítica na longa duração para o debate que então excluía (ou era excluído) por historiadores profissionais.

O argumento do livro de Bavel é simples: 1- Podemos encontrar modelos de economias de mercado ao longo da história, sendo consideradas aquelas que alocam fatores de produção (terra, trabalho e capital) através do sistema abstrato e impessoal do mercado. 2- Economias de mercado de alocam terra, trabalho e capital via mercado alcançam grande e acelerado desenvolvimento econômico; 3- O acelerado crescimento econômico fundado na comercialização dos fatores de produção leva a um aumento das desigualdades, aguda polarização social e declínio das ditas sociedades. Leia Mais

Revista de Economia Politica e História Econômica, v.17, n.47, jan. 2022.

REPHE 47 – janeiro de 2022

[Artigos]

  • A Era do Capital
  • Osvaldo Luis Angel Coggiola
  • A condução do Estado helênico ao longo do período de ocupação nazifascista e a configuração da política grega. (1940-1960)
  • Talysson Benilson Gonçalves Bastos
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • O legado socioeconômico do Estado brasileiro e chileno durante os governos militares
  • Rodolfo Vieira Nunes George
  • André Willrich Sales
  • Política monetária a partir do ano 2000: Uma análise da atuação das autoridades monetárias
  • Heldo Siqueira da Silva Júnior
  • O “PIL: ferrovias”, bloco no poder e contradições do Estado: um relato
  • Roberto Mauro da Silva Fernandes
  • Evolução Recente da Agricultura Familiar no Maranhão
  • Cesar Augustus Labre Lemos de Freitas
  • Anderson Nunes Silva
  • Dionatan Silva Carvalho
  • Estratégia de desenvolvimento regional a partir da complexidade econômica: uma proposta para a região metropolitana da grande São Luís-MA
  • Laura Regina Carneiro
  • Ricardo Zimbrão Affonso de Paula
  • Wilson França Ribeiro Filho
  • Rodrigo Gustavo de Souza
  • Smith, Mandeville e a moral do brasileiro contemporâneo
  • Alexandre Lyra Martins
  • Leôncio Basbaum – revolução e militância (1950-1960)
  • Renan Somogyi Rodrigues da Silva

Resenhas:

  • BAVEL, Bas van. The Invisible hand?: how market economies have emerged and declined since 500 AD. Oxford: Oxford University Press, 2016.
  • BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2018

Capital e Ideologia | Thomas Piketty

PIKETTY 2 Capital e Ideologia
Thomas Piketty | Foto: Instituto Mercado Popular

PIKETTY Capital e Ideologia Capital e Ideologia Em seu novo livro, Capital e ideologia, Piketty estende seu influente e igualmente monumental Capital no século XXI – ambas as obras têm por volta de mil páginas. A extensão se dá em duas frentes. Primeiro, o livro aborda diversos países como Índia, Japão, China, Rússia e, dentre outros, Brasil. O economista francês reage aos críticos que taxaram seu livro anterior de “western-centered”. Este é o resultado dos estudos por ele capitaneados no World Inequality Lab, que inclui pesquisadores de vários países. Segundo, o novo livro é menos técnico e mais acessível. Trata-se de uma obra plural, que combina dados econômicos com narrativa histórica e análise política. Ao final do texto, o autor propõe reformas bastante agressivas para reverter a recente escalada global da desigualdade. Ainda que instigante, motivado por um dos temas mais importantes da atualidade, o livro é demasiadamente amplo e ambicioso, o que o torna superficial, sobretudo nos trechos que descrevem narrativas históricas. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.46, ago. 2021.

Economia Politica e Historia Economica Capital e Ideologia

REPHE 46agosto de 2021

Artigos

  • Evolução Institucional e Dimensão Cognitiva em Thorstein Veblen e Douglass North
  • Carolina Miranda Cavalcante
  • Os Economistas Clássicos e a Tendência à Queda da Taxa de Lucro
  • Thiago Cesar Ribeiro
  • Pedro Henrique Feliciano Dias Sampaio
  • O Imperialismo como Expressão Política do Processo de Acumulação de Capital
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • Irã e a (re)islamização da economia: um processo histórico complexo e a questão do Brasil
  • Andréia Lopes Beppu
  • Hjalmar Schacht: o banqueiro, o servidor público e o diplomata na Alemanha do entre-guerras
  • Daniel Santos Kosinski
  • O papel do Estado Brasileiro na internacionalização das empresas nacionais: atuação do BNDES durante o Governo Lula (2003 – 2010)
  • Arthur Pinheiro de Azevedo Banzatto
  • Tributação e Pobreza, uma análise dos impactos de uma reforma tributária “PEC 45/2019”, sob a lente de Thomas Piketty
  • Francisco Carlos Cobaito
  • Os povos indígenas nos censos demográficos oficiais do Brasil
  • José Reinaldo Barros Ribeiro Júnior
  • Patrícia de Oliveira Borges e Souza
  • A financeirização do coronavírus
  • Damasio Duval Rodrigues Neto
  • A economia mundial e o suicídio: do empobrecimento social à elevação das taxas de suicídio em momentos de crise econômica
  • Segislane Moésia Pereira da Silva
  • Marlene Helena de Oliveira França
  • Um cenário possível no pós pandemia
  • John Kennedy Ferreira

RESENHA

  • PIKETTY, Thomas. Capital e Ideologia. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

Perspectivas e Diálogos. Caetité, v.1, n.7, 2021. e Diálogos. Caetité, n.47, jan. 2022.

HISTÓRIA, EDUCAÇÃO E INTELECTUAIS BRASILEIROS

DOSSIÊ TEMÁTICO

Publicado: 2021-07-01

 

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.45, jan. 2021.

REPHE 45 – janeiro de 2021

  • WTO: Is there a need for Reforms?
  • Badar Alam Iqbal
  • O Fundo Monetário Internacional de 1944 a 2015: mudanças e permanências
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • Fernando Roberto de Freitas Almeida
  • O MERCOSUL e as trocas comerciais entre os estados-membros no período de 2007 – 2015
  • Rodolfo Francisco Soares Nunes
  • A teoria do desenvolvimento do capitalismo de Adam Smith e sua influência: diálogos inter e intradisciplinares
  • Ricardo Zimbrão Affonso de Paula
  • Convenções e Instituições: origens, desenvolvimento e impasses
  • Lucas Mikael da Silva dos Santos
  • Análises do desastre de Mariana identificadas na literatura técnica e científica
  • Thamires Gabriele Macedo Silva
  • Suely Maria Rodrigues
  • Gilvan Ramalho Guedes
  • Carlos Alberto Dias
  • Ministério do Meio Ambiente: gestão e justiça socioambiental versus neoliberalismo econômico
  • Nicole Stephanie Florentino de Sousa Carvalho
  • Maione Rocha de Castro Cardoso
  • O Brasil entre duas crises: crescimento econômico, desemprego e rearranjo político, 2010 e 2018
  • Apoena Canuto Cosenza
  • Igor Grabois
  • A economia cafeeira e suas implicações no Brasil
  • Caíque Rodrigues de Carvalho Sousa
  • Francisco Francirlar Nunes Bezerra
  • Francisco Antônio Gonçalves de Carvalho
  • Luan Victor Brandão dos Santos
  • Stênio Lima Rodrigues
  • Dinâmica econômica e o setor habitacional no Brasil nos últimos anos
  • Osmar Faustino de Oliveira
  • Os dois caminhos de modernização da agricultura na experiência internacional
  • Pedro Vilela Caminha
  • Racionalização dos serviços postais no primeiro Governo Vargas
  • Gabriel Crozetta Mazon
  • Alcides Goularti Filho
  • A curva fora do ponto: o caso de Manoel Jacques de Araujo Basto. Crédito e Descrédito no Rio de Janeiro em meados do XIX
  • Luiz Fernando Saraiva
  • RESENHA: SOUZA, Jessé. A Elite do Atraso: da Escravidão à Lava Jato. São Paulo: LeYa Editorial, 2017.

A Elite do Atraso: da Escravidão à Lava Jato | Jessé Souza

Jessé José Freire de Souza, formado em Direito pela Universidade de Brasília (1981), concluiu o mestrado em Sociologia pela mesma instituição em 1986. Em 1991, doutorou-se em Sociologia pela Karl Ruprecht Universität Heidelberg(Alemanha), país onde obteve livre docência nesta mesma disciplina Universität Flensburg em 2006. Também fez pós-doutorado em Filosofia e Psicanálise na New School for Social Research, Nova Iorque, (1994/1995). A partir de 2009, Souza fomentou pesquisa sociológica em todo o país para corroborar a tese de que havia surgido uma “nova classe média” no Brasil. O levantamento feito por ele indicou a configuração de nova nomenclatura, a saber, “ralé”, “batalhadores”, “classe média e “elite”, sendo os dois últimos atores de exploração aos dois iniciais, ou seja, detentores de privilégios históricos. Nesse contexto, Jessé Souza escreveu a obra “A Elite do Atraso: Da Escravidão à Lava Jato”, em 2017 com o intuito de resgatar os precedentes históricos da sociedade brasileira afim de entender a situação atual do país. O autor lançou o livro pra averiguar a trajetória política, econômica e social do Brasil a partir da análise de suas classes sociais. O trabalho de Souza se compromete a tecer críticas ao modelo atual de classes no Brasil, destruindo o paradigma entre “Patrimonialismo” e “Culturalismo racista” que estão enraizadas na sociedade brasileira. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.44, jul. 2020.

REPHE 44 – julho de 2020

  • Revisitando as Hipóteses de Manoel Correia de Andrade: a SUDENE e os Planos Diretores de 1961 a 1973
  • Rafael Aubert de Araujo Barros
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • O “PIL: Aeroportos” (2012-2016): a breve história da economia política de um programa
  • Roberto Mauro da Silva Fernandes
  • A Ideologia do Trabalhismo no Brasil no Século XXI
  • Cássio Silva Moreira
  • Conflito distributivo e inflexão na política econômica brasileira: análise do período 2005-2015
  • Luciano Barros
  • Uma breve história da ética do trabalho no mundo ocidental
  • Alexandre Lyra Martins
  • O fim do “laissez-faire”: uma releitura do artigo de Keynes pela perspectiva político-econômica sobre a Economia Liberal
  • Anderson Nunes de Carvalho Vieira
  • A filosofia utilitarista em economia e alguns de seus críticos
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • A produção de mais-valia e a valorização do capital na economia da dádiva: o caso dos jogos online
  • Vinicius Aleixo Gerbasi
  • Agnaldo dos Santos
  • O problema da mão de obra chinesa: desafios e estratégias
  • Jadenir Mendes Ribeiro
  • Marcos Fábio Martins de Oliveira
  • Os fundamentos do Império Português: séculos XV, XVI e XVII – ascensão e queda de um projeto estratégico de poder mundial
  • João Miguel Villas-Bôas Barcellos

RESENHA: BOTTO, Mercedes I. La integración regional en América Latina: Quo Vadis? El Mercosur desde una perspectiva sectorial y comparada. Buenos Aires; EUDEBA, 2015.

La integración regional en América Latina: Quo Vadis? El Mercosur desde una perspectiva sectorial y comparada | Mercedes Botto

Algunos libros son, de una forma más marcada y clara que otros, hijos legítimos de su tiempo porque reflejan el clima y el espíritu de la época en la que son gestados y nacen.

Tal es el rasgo distintivo del libro de Mercedes Botto.

Noviembre de 2015 presagió el inicio del giro neoliberal en la Argentina. Haciéndose este país eco de la nueva sintonía de Brasil, el otro ‘grande’ de la región, delineada a partir del impeachment a Dilma Roussef, su posterior destitución y ascenso de Michel Temer al gobierno y, finalmente, la asunción de Jair Bolsonaro. Ambos cambios de rumbo en dos de los ‘pesos pesados’ del MERCOSUR, auguraron el inicio de un nuevo escenario regional cuyas reconfiguraciones y consecuencias para el bloque, aún están teniendo lugar, en función de los interrogantes que expresa la reciente victoria de Alberto Fernández en materia de integración regional. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.43, jan. 2020.

REPHE 43 – janeiro de 2020

  • Dwindling Rupee and Its Impact on Indian Economy
  • Badar Alam Iqbal
  • Ensaios sobre a economia portuguesa: efeitos da adesão à Comunidade Econômica Europeia
  • Edilson dos Santos Alves
  • Crises financeiras internacionais: alguns de seus benefícios e a manutenção do status quo
  • Leonardo de Amorim Thury
  • Gustavo Granado
  • Impacto da política econômica sobre o ingresso de investimento estrangeiro direto durante o período democrático (1945 – 1964)
  • Rafael Murgi
  • A ampliação de interesses empresariais pela política externa brasileira: um estudo sobre a Petrobras no Iraque durante a ditadura civil-militar
  • Julio Cesar Pereira de Carvalho
  • A função social da propriedade na legislação brasileira, 1946-1962
  • Pedro Villela Caminha
  • A crise de 1873 na Província da Bahia: efeitos internacionais sobre a recessão doméstica
  • Marcos Guedes Vaz Sampaio
  • Tuane Coelho de Carvalho Mattos
  • O pensamento econômico luso-brasileiro na crise do sistema colonial: o pragmatismo de Azeredo Coutinho e o liberalismo de José da Silva Lisboa
  • Tobias de Paula Lima Souza
  • Eliana Tadeu Terci
  • Perspectivas econômicas alternativas e as Raízes do Brasil
  • Paulo Roberto da Silva
  • Refletindo a economia da felicidade através do sistema lógico hiperdialético de Sampaio
  • Marcelo de Carvalho Azevedo Anache
  • Luiz da Costa Laurencel
  • O debate entre a Análise dos Sistemas-Mundo (ASM) e a Teoria Marxista da Dependência (TMD): considerações sobre o método
  • Celso Eugênio Breta Fontes
  • In Search of a Pluralistic Economic Science: Keynes and Minsky Revisited in Times of Crisis
  • João Felippe Cury Marinho Mathias

RESENHA: CHOMSKY, Noam. Quem governa o mundo? 1a. ed. Lisboa: Editorial Presença, 2016.

Quem governa o mundo? | Noam Chomsky

Noam Chomsky, nascido em 1928, na Filadélfia, é linguista, filósofo, cientista, comentador e ativista político. Doutor pela Universidade de Harvard e professor emérito em Linguística pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, se destaca pelo ativismo contra a guerra do Vietnã, como se pode constatar em uma outra obra chamada “O poder americano e os novos mandarins”, publicada no ano de 1969, a qual avalia a intervenção norte americana na Ásia.

Conhecido desde a década de 1960 por frequentar o debate acadêmico sobre temas políticos, possui forte teor crítico em relação às políticas dos Estados Unidos da América, país dito como principal impositor no discurso global. Autor da Teoria Central da Linguística que diz que os humanos possuem uma capacidade inata de linguagem embutida no cérebro, o autor mostra apreço pela comunicação. Também se destaca como “o maior intelectual da esfera pública” segundo a Observer e de acordo com o New Statesman “quem quer conhecer melhor nosso mundo tem de ler Noam Chomsky”. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.42, jul. 2019.

REPHE 42 – julho de 2019

  • O Capitalismo Regido Pelas Finanças e a Grande Recessão
  • Caio V. F. Vilella
  • Desafios Éticos Contemporâneos das economias de mercado
  • Alexandre Lyra Martins
  • O Processo de Concorrência Capitalista em Marx
  • João Daniel Poli
  • Luciano Costa Souza
  • O Banco de Compensações Internacionais (BIS) e a unificação monetária europeia
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • Fernando Roberto Freitas Almeida
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • Integração Regional na América Latina: debatendo os fundamentos sócio históricos da dependência estrutural e da unidade latino-americana
  • Mariana Davi Ferreira
  • Alexandre César Cunha Leite
  • Jaime Cesar Coelho
  • A inserção Externa da Argentina: uma análise a partir do comércio intra-industrial com Brasil, Estados Unidos e China
  • Virginia Laura Fernandez
  • Marcelo Luiz Curado
  • Bases Históricas do Desenvolvimento Mexicano (1876 – 1940)
  • Eduardo Gonzales Silva
  • Ivan Colangelo Salomão
  • A Crise Asiática de 1997 e a Imunidade Taiwanesa: um estudo sobre a estruturação do setor externo de Taiwan
  • Ben Lian Deng
  • O comércio de abastecimento de carnes verdes para o Rio de Janeiro no início do século XIX: uma via para a acumulação mercantil
  • Pedro Henrique Pedreira Campos
  • A trajetória da economia capixaba entre 1985 e 2009
  • Heldo Siqueira da Silva Junior
  • Gustavo Rocha Bulgareli Ferreira
  • A Inserção Feminina no Mercado de Trabalho sob o Contexto Capitalista nas Regiões Metropolitanas do Brasil do Período 2003 – 2014
  • Alana Paula de Araújo Aires
  • André Cutrim Carvalho
  • O Brasil e a necessidade de um New Deal
  • Cássio Silva Moreira
  • GALA, Paulo. Complexidade econômica: uma nova perspectiva para entender a antiga questão da riqueza das nações. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2017.

Complexidade econômica: uma nova perspectiva para entender a antiga questão da riqueza das nações | Paulo Gala

Em “Complexidade econômica”, Paulo Gala aborda a complexidade e sofisticação produtiva como elementos propulsores do desenvolvimento econômico. Lança sobre tal configuração os olhares do estruturalismo econômico, presente nos chamados “clássicos do desenvolvimento econômico”.

Dessa forma, o autor busca entender a complexidade econômica como uma estrutura necessária para o desenvolvimento dos países. Em outros termos, conforme conceito demonstrado por Gala, a relação entre a ubiquidade e diversificação produtiva são necessárias para que se alimente um movimento autônomo de aumento da renda e bem-estar das massas. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.41, jan. 2019.

REPHE 41 – janeiro de 2019

  • Risco, incerteza e expectativa na dinâmica dos eventos de uma economia capitalista na perspectiva de Keynes e Knight
  • André Cutrim Carvalho
  • Phelipe da Silva Rodrigues
  • David Ferreira Carvalho
  • O Racional e a Esfera da Especulação: o conceito weberiano de dominação
  • Lucas Frazão SIlva
  • Do Programa e da Análise Utilitarista do Problema da Captura e da Agência e da Solução com o Governo Representativo e seus Mecanismos Institucionais: da democracia majoritária de Bentham ao sistema proporcional de Stuart Mill
  • José Raymundo Novaes Chiappin
  • Ana Carolina Corrêa da Costa Leister
  • Estado Novo (1937- 1945): a concepção de desenvolvimento, o funcionamento estatal e as políticas econômicas realizadas
  • Eduarda Fernanda Lustosa de Mendonça
  • Camila Vian de Jesus
  • Martin Branco Kirsten
  • Crescimento Dependente: aspectos do ciclo de crescimento econômico brasileiro entre 2001 e 2011
  • Igor Grabois
  • Apoena Canuto Cosenza
  • Finanças Públicas e Política Econômica no Brasil Recente: um olhar panorâmico
  • Guilherme Grandi
  • As Raízes da Industrialização Brasileira
  • Márcia Leite Borges
  • Políticas de trabalho e previdência rural na legislação brasileira, 1946-1967
  • Pedro Vilela Caminha
  • Reforma da Previdência e seu debate no Brasil: gasto previdenciário x equilíbrio fiscal
  • Jessé Sales Rêgo
  • Ricardo Zímbrão Affonso de Paula
  • Alexsandro Sousa Brito
  • Sino-India Trade Imbalances and Chinese Investment in India
  • Pei Guifen
  • Badar Alam Iqbal
  • Shanshan Ll
  • Role of skill Development in Women Empowerment in India
  • Mohd Younus Ali Khan
  • Investment Attraction, Competition and Growth: Theoretical Perspective in the Context of Africa
  • Emmanuel Tweneboah Senzu

RESENHA: RICUPERO, Rubens, A diplomacia na construção do Brasil (1750-2016). Rio de Janeiro, Versal, 2017.

A diplomacia na construção do Brasil (1750-2016) | Rubens Ricupero

O livro “A diplomacia na construção do Brasil: 1750 – 2016”, do diplomata Rubens Ricupero, publicado pela Versal Editores em 2017 contribui para a ampliação da bibliografia disponível em relação à história da diplomacia no Brasil, englobando desde 1750, período colonial no qual a diplomacia é ditada por Portugal, até o ano de 2016, no período imediatamente anterior ao impeachment de Dilma Rousseff.

Segundo o autor, baseado em suas anotações e registros quando de sua atuação como professor da disciplina de História das Relações Diplomáticas do Brasil, a obra foi concebida para ampliar fonte de estudo sobre a evolução da política externa, agregada aos demais fatores políticos e econômicos ocorridos nos períodos analisados. Segundo o autor, as obras disponíveis sobre a história do Brasil tendem a dedicar sua atenção nos eventos internos do país, com relativo menor destaque aos eventos internacionais e da política externa, “como se a história de um país constituísse um todo suficiente e fechado em si mesmo…” (pg. 21). Em tais obras, a estrutura geral seria comprometida em sua coerência interna, pois a dispersão dos temas nacionais entre os elementos internos e externos geraria certa fragilidade para o conjunto do texto. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.40, jun. 2018.

REPHE 40 – junho de 2018

  • O Brasil, o Mundo e a Quarta Revolução Industrial: reflexões sobre os impactos econômicos e sociais
  • Marcos Cordeiro Pires
  • Acumulação de Capital na Semiperiferia e seus limites políticos e econômicos: o caso da economia brasileira
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • Camila Nadedja T. Barbosa
  • Os Modos de Dominação Burguesa na Sociedade Capitalista
  • Tiago Santos Salgado
  • Fundos de Investimento e a “financeirização” das firmas no Brasil nas primeiras duas décadas do século XXI
  • Marco Aurélio Cabral Pinto
  • Algumas Notas sobre Regionalismo e Integração na América do Sul
  • Vivian Garrido Moreira
  • Contribuição do Sistema Toyota de Produção na mudança do paradigma tecno-econômico do Japão: uma abordagem neo-schumpeteriana
  • João Paulo Augusto Eça
  • Marcos Fábio Martins de Oliveira
  • Roney Versiani Sindeaux
  • Aneheüser-Bush: tradição vs. vanguarda financeira no takeover de um ícone americano
  • Patrícia Saltorato
  • Tiago Fonseca Albuquerque Cavalcanti Sigahi
  • Gabriel Machado Franco
  • Giovanna Garrido
  • An Analytical Study on the Effects of WTO on India’s Foreign Trade performance
  • Swastika Tripahti
  • Manjula Jain
  • Challenging the AID Industry Structure: shifting dynamics of India’s Education Development Cooperation
  • Mona Khare
  • The Association of Self-eficacy, Propensity to Risk and Cognitive Styles to Entrepeneurial Intentions of Unemployed Graduates in Lesotho
  • Motšelisi C. Mokhethi
  • Regina M. Thetsane

RESENHA: BASKES, Jeremy. Staying Afloat: Risk and Uncertainty in Spanish Atlantic World Trade, 1760-1820. Stanford: Stanford University Press, 2013.

Staying Afloat: Risk and Uncertainty in Spanish Atlantic World Trade, 1760-1820 | Jeremy Baskes

Risco e incerteza são os tópicos centrais da investigação de Jeremy Baskes, doutor pela University of Chicago e Professor na Ohio Wesleyan University. Em Staying Afloat (algo como mantendo-se flutuando numa tradução livre), Baskes se debruça sobre o comércio entre Espanha e algumas de suas colônias na América, analisando como os mercadores conseguiram manter suas atividades em ambientes, por vezes, hostis. De acordo com ele, o comportamento dos mercadores espanhóis “deve” ser entendido “como sua resposta ao onipresente risco comercial”. Ou, em outras palavras mais enfáticas, “gerir o risco foi a principal preocupação dos mercadores e muitos aspectos do comércio imperial espanhol só podem ser plenamente compreendidos quando examinados pelas lentes do risco e da incerteza.” De modo a contornar esses percalços, os mercadores “se engajaram em estratégias de redução de risco, desenvolveram instituições atenuantes de risco, e procuravam qualquer meio possível para reduzir a incerteza e a ambiguidade” (p. 2 e 4). Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.39, dez. 2017.

REPHE 39 – Dezembro de 2017

  • Atividade Normativa na OIT e o Direito do Trabalho no Mercosul
  • Elísio Pierre Chaves dos Santos
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • Differential Association and Counterproductive Work Behaviors: Na Empirical Test
  • Vinod Kumar Singh
  • Naman Sharma
  • Swati Pathak
  • As Misérias do Capitalismo no Século XXI e a Necessidade Histórica da Revolução
  • Cesar Augustus Labre Lemos de Freitas
  • Glauber Lopes Xavier
  • Rickley Leandro Marques
  • O Terremoto Promovido pela Ascensão Pacífica da China
  • Fernando Roberto de Freitas Almeida
  • Yuri Villalba
  • The Economics of Sovereign Default
  • Syed Ahmed
  • Populismo e Capitalismo Monopolista nos Estados Unidos da América
  • Cristiano Addario de Abreu
  • Estado de Confiança e Método da Convenção em um Ambiente de Incerteza para Decisões de Investimento na Visão do Sr. Keynes
  • André Cutrim Carvalho
  • David Ferreira Carvalho
  • A Agricultura Brasileira e a sua Internacionalização na Transição do Século
  • XX para o XXI
  • Tiago Dalla Corte
  • A Política Econômica do PRR na Primeira República: as bases regionais do desenvolvimento brasileiro
  • Alcides de Camargo Mirabelli
  • Ivan Colangelo Salomão

RESENHA: SOARES, António Goucha. Euro: e se a Alemanha sair primeiro? Temas e Debates, Lisboa, 2016.

Euro: e se a Alemanha sair primeiro? | António Goucha Soares

Em sua mais recente obra, António Goucha Soares1, ao longo de seis capítulos, discorre – com linguagem de fácil acesso mesmo aos não iniciados nas discussões de política econômica ou relações do direito internacional – a respeito de temas que tangenciam a História, a Economia e o Direito. Dessa forma torna a narrativa objetiva em seu conteúdo e rica pelas estratégias argumentativas que são empregadas. Com emprego da metodologia da História Social que visa rastrear os agentes e dar nome aos atores protagonistas dos eventos aqui desenrolados, e com o intuito de dar um sentindo humano às ações, não naturalizando os processos, Soares apresenta-se enquanto um fiel defensor da crítica às versões “oficiais” dos acontecimentos históricos. É nesse sentido que se projeta a sua argumentação, visando um deslocamento ou minimamente uma exposição acerca do protagonismo atribuído à Alemanha nos processos de condução à união econômica e monetária à qual os países da Europa Ocidental se submeteram a partir do tratado de Maastricht em 1992. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.38, jun. 2017.

REPHE 38 – junho de 2017

  • Da Crise Internacional de 1981-1983 ao neoliberalismo tardio: o caso do Brasil na década de oitenta do século XX
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • Japanese and Chinese FDI in South Asia: A Comparative Analysis
  • Munim K. Barai
  • Badar Alam Iqbal
  • A Financeirização e o papel do Estado na órbita de Acumulação do Capital
  • Ronie Cléber de Souza
  • O Massacre, o Golpe e a Emancipação: memória e silenciamento no processo de formação territorial de Ipatinga (MG)
  • Patricia Falco Genovez
  • Vagner Bravos Valadares
  • Arrendamento e Parceria: uma abordagem a partir da renda fundiária
  • Patrícia José de Almeida Salinas
  • Linhagens e variantes interpretativas da dependência latino-americana
  • José Elesbão de Almeida
  • Notas sobre o capitalismo dependente: a contribuição de Florestan Fernandes
  • Francisco Luis Corsi
  • A criminologia e o estudo da criminalidade nas ciências econômicas
  • Raul de Sá Durlo
  • Alexandre Sartoris Neto
  • Contribuições da categoria trabalho para estudos organizacionais
  • Rodrigo Bombonati de Souza Moraes
  • Rogério de Souza Silva

RESENHA: EICHENGREEN, Barry. Hall of Mirrors: The Great Depression, the Great Recession, and the uses – and misuses – of History..New York: Oxford University Press, 2015.

Hall of Mirrors: The Great Depression, the Great Recession, and the uses – and misuses – of History

Em seu mais recente livro, Barry Eichengreen, historiador econômico reconhecido por todos, nos transporta aos eventos da crise financeira de 2008 e aos desdobramentos que a mesma teve para suas nações protagonistas. Estudioso da Grande Depressão de 1930, o autor parte em busca das lições que deveriam ter sido aprendidas com essa para evitar aquela que ele chama de Grande Recessão.

Para Eichengreen, as lições de 1930 ajudaram a que não se tivesse uma nova Grande Depressão mas os efeitos das medidas tomadas pelas autoridades no sentido de evitar tal catástrofe ainda não estão claras para todos. Assim, ao evitar uma nova depressão da magnitude dos anos 1930, os pensadores da economia mundial se abstiveram de realmente analisar todas as dimensões do ocorrido em 2008. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.37, jan. 2017.

  • O Estado na crise estrutural do Capital
  • Ivan Lucon Jacob
  • Adilson Marques Gennari
  • Racionalidade e Economia Solidária: apontamentos teóricos e metodológicos
  • Henrique Pavan Beiro de Souza
  • O círculo vicioso da pobreza sob a perspectiva do trabalho infanto-juvenil: análise e aplicação de um modelo próbit para o Brasil
  • Janete Leige Lopes
  • Luciana Aparecida Bastos
  • Rodrigo Monteiro da Silva
  • Ely Mitie Massuda
  • Indicadores econômicos de Alfenas durante a Primeira República
  • Alisson Eugênio
  • A intencionalidade da industrialização do Primeiro Governo Vargas: uma evidência por meio do equilíbrio de Nash perfeito em subjogos
  • Diogo Del Fiori
  • O desenvolvimento endógeno a partir da operacionalização do PAA e do PNAE: o caso do município de Itapecuru Mirim – Maranhão
  • Lenardo Maciel de Carvalho
  • Cesar Augustus Labre Lemos de Freitas
  • Questão agrária e capitalismo periférico no Brasil: o sentido territorial da dependência
  • Glauber Lopes Xavier
  • Bancos públicos e desenvolvimento econômico: a experiência de Brasil e Coréia do Sul
  • José Carlos Martines Beliero Junior
  • Bernardo Schimmer Muratt
  • A diplomacia econômica brasileira e as relações interamericanas no imediato pós-guerra: ocaso do panamericanismo
  • Danilo José Dálio
  • Política econômica social-democrata e a Agenda 2010 na Alemanha, 1998- 2005
  • Tallyta Gusmão
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli

RESENHA: FAPEAL: Alagoas Comtemporânea; Economia e Políticas Públicas em Perspectiva. Maceió, 2014.

Alagoas Contemporânea: Economia e Políticas Públicas em Perspectiva | FAPEAL

Os últimos anos do século passado, e as primeiras décadas do presente, viram um recrudescimento dos estudos regionais, em especial do Nordeste brasileiro. Tais estudos intentaram retomar a problemática do desenvolvimento e da superação de barreiras formadas ao longo da história da região, fossem essas provenientes de razões econômicas, sociais, políticas ou mesmo uma junção de todas. Portanto, o assunto do livro assinado pela FAPEAL, agência que teria como seu propósito fomentar a pesquisa em Alagoas a partir do dinheiro do contribuinte, pode ser considerado de significância, por visar expor os elementos da economia do Estado que mostram-se hoje como permanentes, para além de mudanças conjunturais. Alagoas é um dos estados mais subdesenvolvidos do país, em que aspectos como a posse concentrada de terra, ou do poder público por oligarquias que vem se perpetuando desde o tempo das capitanias hereditárias mostram sua olorosidade mais acre. Um livro – ainda que fosse mais um – deveria ser mais do que bem vindo pela comunidade científica interessada no problema do subdesenvolvimento e sua superação. Ainda mais quando assinada por estudiosos do Estado, os quais deveriam estar comprometidos com o problema. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.36, ago. 2016.

REPHE 36 – agosto de 2016

  • A Questão dos Antecedentes: por que não uma “pré-história” do pensamento econômico
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • SMEs Role and Contribution towards Trade and FDI Flows in Latin America
  • Badar Alam Iqbal
  • Nayyar Rahman
  • Repartição da renda, inflação e conflito distributivo: uma abordagem kaleckiana
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • Ciclos Econômicos e Conflitos Sociais
  • Lincoln Secco
  • Fernando Sarti Ferreira
  • Etapas da Regulação Petrolífera no Brasil – nacionalismo, cosmopolitismo e a utopia do desenvolvimento
  • Arthur Aquino
  • A referência internacional da moeda como instrumento de poder na economia política internacional
  • Gustavo Granado
  • O Nordeste, o Desenvolvimento e os Polos de Crescimento
  • Ramá Lucas Andrade
  • O Sistema Previdenciário sob a perspectiva Ortodoxa: uma crítica
  • Jessé Sales Rêgo
  • Ricardo Zimbrão Affonso de Paula
  • Alexandro Sousa Brito
  • Do Imperativo do Avanço Tecnológico à Capacidade Criativa na Civilização Industrial: dois momentos da ideia de inovação no pensamento de Celso Furtado
  • Paulo Leurquim
  • Para além do Peronismo: notas sobre o desenvolvimentismo na Argentina
  • Rossana Moreira Prux
  • Ivan Colangelo Salomão

RESENHA: MAZZEO, Antônio Carlos. Estado e Burguesia no Brasil: origens da autocracia burguesa. São Paulo: Boitempo, 3a. edição, 2015.

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.35, jan. 2016.

  • Do nacional-desenvolvimentismo ao social-desenvolvimentismo: a retomada do projeto trabalhista
  • Cássio Silva Moreira
  • O Processo de Integração Europeu: 1918 – 1990
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdellii
  • As Lições de Bretton Woods no Tratamento dos Riscos Macrofinanceiros
  • Marcelo Milan
  • O Socialismo de Mercado Chinês sob a Ótica da Propriedade: considerações sobre a Terceira Sessão Plenária do 18° Congresso do Partido Comunista
  • Gustavo Erler Pedrozo
  • Regras Alfandegárias e Cambiais no Processo de Substituição de Importações (1930-1985)
  • Bruno Bezerra Cavalcanti Godói
  • John Maynard Keynes e as Consequências Económicas da Paz
  • Jorge Miguel Cardoso Ribeiro de Jesus
  • “Meu patrão é meu dinheiro”: mudanças nas relações comerciais de pequenos produtores rurais do médio Solimões (AM).
  • Alex Almeida Coelho
  • Nelissa Bezerra Peralta
  • Visões e Percepções da Imigração Italiana para o Espírito Santo: o caso da configuração territorial do Núcleo Timbuy (atual Santa Teresa)
  • Patrícia Genovez
  • Simone Zamprogno Scalzer

RESENHA: PIVA, Adrián. Economía Y Política em la Argentina Kirchnerista. Buenos Aires: Batalla de Ideas, 2015.

Economía Y Política em la Argentina Kirchnerista | Adrián Piva

Adrián Piva é sociólogo, docente na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires (UBA), e docente e pesquisador nos Departamentos de Economia, Administração e Ciências Sociais da Universidade Nacional de Quilmes. O livro tem como questionamento central o chamado período da pós-convertibilidade na Argentina (pós-2001), sob a óptica de como se procedeu à reestruturação da acumulação de capital dentro das novas configurações de blocos de poder, tendo o papel do Estado como agente reagrupador de forças, pelas mãos do kirchnerismo. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.34, ago. 2015.

REPHE 34 – Agosto de 2015

  • Ouro como moeda, ouro como commodity
  • Luiz Jardim Wanderley
  • Uma análise econômica da saúde pública: para além dos fatos epidêmicos
  • Ivan Ducatti
  • Cana-de-açúcar na economia brasileira: uma panorâmica evolutiva
  • Patricia Veloso Francisco
  • O discurso do Banco Mundial sobre o desenvolvimento e sua política de empréstimos (1946-1987)
  • Caio Rennó José
  • Thiago Fontelas Rosado Gambi
  • A lógica excludente do “novo” capitalismo: análises dos muitos discursos e narrativas
  • Roney Gusmão do Carmo
  • Ana Elizabeth Santos Alves
  • Breves notas sobre a atuação dos investidores institucionais nas finanças capitalistas e suas implicações distributivas
  • Vivian Garrido Moreira
  • Mudanças de regime econômico na história do Brasil: transformações estruturais, evolução institucional
  • Paulo Roberto de Almeida

RESENHA: FERGUSON, Niall. A grande degeneração: a decadência do mundo ocidental. São Paulo: Planeta, 2013.

A grande degeneração: a decadência do mundo ocidental | Niall Ferguson

Niall Ferguson, em “A Grande Degeneração” traz mais uma tese polêmica acerca da crise no mundo Ocidental. Professor da Universidade de Harvard, além de associado ao Instituto Hoover e à Universidade de Stanford, Ferguson é um dos mais renomeados historiadores do mundo, com uma vasta coleção de livros e prêmios, como o Benjamin Franklin Prize for Public Service e o Hayek Prize for Lifetime Achievement, rotineiramente lembrado pelas teorias sobre o Ocidente e a decadência do modelo tanto econômico quanto político vigente deste lado do mundo.

“A Grande Degeneração” não poderia ser diferente. Publicada em 2013, a obra trata de temas já tratados pelo autor em outras obras, nas quais defende a tese de que o Ocidente e suas instituições estão fadados ao declínio. Contudo, nesta obra, Ferguson teme que esse declínio se torne uma degeneração, ou seja, um evento mais radical em proporção e intensidade e, sobretudo, irreversível. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.33, jan. 2015.

REPHE 33 – Janeiro de 2015

  • Antecedentes Desenvolvimentistas na Formação Intelectual de Raúl Prebisch
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • A integração econômica numa perspectiva teórica e a tipologia histórica dos processos na América Latina
  • Fábio Guedes Gomes
  • Thiago Cavalcanti do Nasscimento
  • Um estudo sobre a Divisão Internacional do Trabalho
  • Apoena Canuto Cosenza
  • Os escritos de Marx sobre a Irlanda nos anos 1860 e sua relevância para a compreensão do subdesenvolvimento
  • Patrick Galba de Paula
  • Arranjos Produtivos Locais: uma nova espacialidade nas políticas públicas
  • Kilma Gonçalves Cezar
  • Elimar Pinheiro do Nascimento
  • A Reprodução do Capital Monopolista
  • Paulo Sérgio Souza Ferreira
  • Breve histórico das tabelas de insumo-produto no Brasil
  • Rodrigo Emmanuel Santana Borges
  • Tiago Camarinha Lopes
  • Entre o Marxista e o Liberal: estudo comparado das obras de Caio Prado Junior e Fernando Henrique Cardoso
  • Rodrigo Badaró de Carvalho
  • Entre raios e trovoadas: o debate sobre o projeto da criação da Eletrobrás no interior do governo Juscelino Kubitschek (1956-61)
  • Marcelo Squinca da Silva

RESENHA: COGGIOLA, Osvaldo. Alemanha 1918-1924: Hiperinflação e Revolução. São Paulo: LCTE, 2010.

Alemanha 1918-1924: Hiperinflação e Revolução | Osvaldo Coggiola

Neste trabalho, o historiador marxista Osvaldo Coggiola enfatiza a importância do historiador econômico para a interpretação de fenômenos econômicos e suas consequências na sociedade e na política ao longo da história. Na análise do período 1918-1924 da história econômica alemã, Osvaldo Coggiola se utiliza de um referencial teórico rico, como algumas das teorias socialistas, Marxistas e Keynesianas, inserindo a importância de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht para o partido comunista alemão em sua criação e desenvolvimento. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.32, ago. 2014.

REPHE 32 – Agosto de 2014

  • Brasil, Argentina e Coréia: uma análise comparativa (1970 – 1990)
  • Francisco Luiz Corsi
  • Agnaldo dos Santos
  • José Marangoni Camargo
  • Indústria Têxtil, Emprego Formal e Diferencial de Gênero na Grande Natal – 1998:2008
  • Luís Abel da Silva FIlho
  • A Industrialização do Brasil nos Anos 1930: uma interpretação Institucionalista
  • Herton Castiglioni Lopes
  • A nova elite financeira no Brasil: Jogos, estratégias e disputas entre os “gerentes-engenheiros” e os acionistas
  • Thais Joi Martins
  • Transamazônica: formação do latifúndio nortista e a eclosão do conflito agrário
  • Junior Ivan Bourscheid
  • Fábio da Rosa Cunha
  • Gustavo Flores Pedroso
  • Apoikia e Colonia: Adam Smith e a reinvenção do colonialismo britânico
  • Roberto Resende Simiqueli
  • A Filosofia Política-Econômica de John Maynard Keynes
  • Jorge Miguel Cardoso Ribeiro de Jesus
  • Mercosul: uma análise de indicadores econômicos durante o período 1990-2004
  • Luciana Aparecida Bastos
  • Tatiana Diair Lourenzi Franco Rosa
  • Badar Alan Iqbal
  • Políticas laborales y salarios durante el primer radicalismo y el primer peronismo (1916-1955)
  • Agustina Vence Conti
  • Eduardo Martin Cuesta

RESENHA: WOLFF, R. e RESNICK, S. Contending Economic Theories: Neoclassical, Keynesian and Marxian. Massachusetts: MIT Press, 2012.

Contending Economic Theories: Neoclassical, Keynesian and Marxian | R. Wolff e S. Resnick

Contending Economic Theories, escrito em sua maior parte pelos professores eméritos de Economia do Massachusetts Institute of Technology Richard Wolff e Stephen Resnick é, na verdade, uma revisão ampliada da discussão desenvolvida em uma obra anterior, de 1987. O livro se apresenta como uma proposta “única e distinta” de comparação entre teorias econômicas. Nesse sentido, um primeiro reparo se mostra necessário, quando os autores vinculam diretamente a microeconomia à economia neoclássica e a macroeconomia ao keynesianismo, deixando em aberto a contribuição do marginalista León Walras à macroeconomia, com sua noção de equilíbrio geral , a qual influenciou não apenas visões agregadas do produto de uma economia, como a elaborada por Wassily Leontief, no início dos anos 1970, mas também a própria concepção das ideias de oferta e demanda agregadas. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.31, jan. 2014.

REPHE 31 – Janeiro de 2014

  • A Unificação Monetária Europeia – a Formação da Área do Euro de 1990 a 2002
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • Uma Interpretação da Revolução Burguesa no Brasil na Visão de Florestan Fernandes
  • Glinzer Santa Cruz da Silva Costa
  • Desregulamentação, Desindustrialização e Reconcentração de Renda na Crise dos EUA
  • Robério Paulino
  • Apontamentos para uma História Econômica da Cidade de Diamantina
  • Alessandro Borsagli
  • Fernanda Guerra Lima Medeiros Borsagli
  • A Soberania Econômica Nacional e a Economia Institucional Europeia
  • Gustavo Granado
  • Abordagem Acerca do Aporte Listiano para a Formação do Pensamento de Raúl Prebisch
  • Otávio Erbereli Junior
  • As Minas de Mato Grosso: Apogeu, Crise e Declínio da Mineração
  • Romyr Conde Garcia
  • Economia Política e Política Econômica no Brasil Recente: O Neodesenvolvimentismo “Restringido” do Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
  • Glaudionor Gomes Barbosa
  • Ana Paula Sobreira Bezerra

Resenhas: LUSTOSA, C e ROSÁRIO, F. (orgs.) Desenvolvimento Local em Regiões Periféricas: a política dos arranjos produtivos em Alagoas.

  • SINHA, Ajit. Theories of Value from Adam Smith to Piero Sraffa.

Desenvolvimento Local em Regiões Periféricas: A política dos arranjos produtivos em Alagoas | Maria Cecília Junqueira Lustosa

Os estudos sobre desenvolvimento observaram certa diversificação nos últimos anos. À pauta clássica, tem-se acrescentado os temas da sustentabilidade ambiental, da governança e da incorporação de novas interpretações acerca de conceitos outrora consolidados na área, como desigualdade ou bem-estar, por exemplo.

Exauridos ou desacreditados em outras áreas das ciências sociais aplicadas, ainda alguns outros temas tentam apear-se na temática do desenvolvimento, como a “inovação”, ou certo enfoque herdado da quase centenária teoria do lugar central weberiana, este requentado sob a forma conceitual dos arranjos produtivos locais, ou como seus autores gostam de apelidar, APLs. Leia Mais

Theories of Value from Adam Smith to Piero Sraffa | Ajit Sinha

A teoria do valor é uma constante na ciência econômica que permite relacionar boa parte dos autores que têm preocupações de ordem abstrata na construção da disciplina de economia. A predominância contemporânea da teoria do valor utilidade não significa que o debate em torno deste tema tenha terminado, mas apenas que em nosso tempo, o ensino de economia raramente recupera as controvérsias em torno do núcleo duro de nossa disciplina. A área de economia política, por outro lado, sempre se preocupa com a questão. E ela é um ponto de partida segura para os exercícios de história do pensamento econômico. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.30, ago. 2013.

REPHE 30 – Agosto de 2013

  • Bacia Hidrográfica do Rio Doce: de sua ocupação à atual importância econômica no cenário estadual
  • Aline Marchesi Hora
  • Carlos Alberto Dias
  • Gilvan Ramalho Guedes
  • A classe patronal e as greves em Porto Alegre: o despertar de uma ação coletiva (1917-1919)
  • César Augusto B. Queirós
  • A Estatização da Dívida Externa Brasileira e os planos econômicos de 1974 a 1989
  • José Antônio Herrera
  • O Fracasso do Projeto Liberal
  • Mário Motta de Almeida Maximo
  • Da controvérsia ideológica entre Simonsen e Gudin ao debate sobre o planejamento econômico no Brasil
  • Tiago Camarinha Lopes
  • Revisitando Manuel Correia de Andrade e a formação econômica nordestina: a questão das atividades econômicas
  • Rafael Aubert de Araujo Barros
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • Capitais Ingleses e o início da navegação a vapor na província da Bahia
  • Marcos Guedes Vaz Sampaio
  • Será que “melhores para trabalhar” são também as melhores empresas para os acionistas?
  • Daniel José Cardoso da Silva
  • Luiz Carlos Miranda
  • José Roberto Kassai
  • Luiz Carlos Marques dos Anjos

Resenha: BLAIR, Alasdair. The European Union since 1945. Cambridge: Pearson, 2010.

The European Union since 1945 | Alsdair Blair

Chefe do Departamento de Política e Políticas Públicas e Professor do curso de Relações Internacionais Jean Monnet da Universidade DeMontfort, em Leicester, Inglaterra, Alasdair Blair dedicou parte de sua carreira a pesquisar os fenômenos que levaram à formação da União Europeia e o resultado pode ser visto nesse livro lançado em 2005 e revisto em 2010.

Organizada em quatro partes, a obra relata os eventos principais do processo de unificação em ordem cronológica com uma primeira parte dedicada à contextualização histórica que levou ao inicio do processo. Na segunda parte, o autor analisa os cinco períodos do processo com cortes em 1945 a 1957 quando da formação do primeiro grupo de países; 1958 a 1970 quando se decide pela primeira abertura à entrada de novos membros e constituição da Comunidade Econômica Europeia; 1971 a 1984 com o destaque para a atuação da Grã-Bretanha dentro do bloco; 1985 a 1993 onde se dá o processo de unificação monetária de parte dos países do grupo; e terminando com o período de 1994 a 2010, onde se destaca o processo de enfrentamento da crise e a entrada de novos países membros. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.28, ago. 2012.

REPHE 28 – Agosto de 2012

  • Da Ciência Econômica à Engenharia Econômica
  • José Flávio Motta
  • Iraci Del Nero da Costa
  • A Escola de Salamanca e sua Contribuição para a Discussão do Conceito de Preço Justo
  • Dalton Jorge Teixeira
  • John Stuart Mill: a Economia Política e o debate metodológico dosOitocentos
  • Ivy Judensnaider
  • O Elemento pós-moderno do discurso Keynesiano: novas interpretações sobre a Incerteza
  • Danielle Cristina Guizzo
  • Secularização e território católico: um ensaio para a identificação das fronteiras do catolicismo
  • Carlos Alberto Dias,
  • Emilliane de Oliveira Matos
  • Lucas Nápoli dos Santos
  • Evolução das relações de produção e do mundo do trabalho: do arcabouço teórico às evidências empíricas no Brasil
  • Luiz Abel da Silva Filho
  • Maria do Livramento Miranda Clementino
  • Instituições financeiras em Campos dos Goytacazes (1863/1891)
  • Walter Luiz Pereira
  • O Papel Americano na formação da União Europeia de Pagamentos
  • Débora Garcia Gaspar

Resenhas: MARSH, David. The Battle for New Global Currency.New York: Yale University Press, 2011.

  • RIBEIRO JUNIOR, Amaury. A Privataria Tucana. São Paulo: Geração Editorial, 2011.

A Privataria Tucana | Amary Ribeiro Junior

A Privataria Tucana e a Prova do Crime

O livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr., publicado pela Geração Editorial (São Paulo: 2011) condensa nas suas 343 páginas substanciosa documentação, comentada, relacionando o processo de privatização de parcela considerável do patrimônio publico brasileiro, durante o período fernandista (1990/2002). Nele, o autor dá particular ênfase para os oito anos que correspondem aos dois mandatos do presidente Fernando Henrique Cardoso (1994- 2002), quando o assalto aos cofres públicos pelas autoridades e seus acólitos ‘laranjas‘ no jargão político-administrativo brasileiro – teria adquirido a magnitude de uma quase-acumulação originária, pela grandeza dos valores envolvidos. Faz sentido essa percepção ao se ter presente que iniciadas em 1991, as privatizações no Brasil ganharam grande impulso principalmente durante o segundo governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Do total de empresas privatizadas no Brasil, cerca de 80% concentram-se entre 1997 e 1999, com destaque para os setores de telecomunicações e elétrico.

O termo acumulação originária, aplicado ao presente contexto é simbólico e tem função meramente ilustrativa, porquanto a expropriação demo-tucana da propriedade foi feita ao Estado brasileiro e, não, como explicada na Gênese do Capital, por Karl Marx, diretamente ao camponês, enquanto o que estamos cognominando aqui de acumulação deu-se na forma perdulária, através, sobretudo, do entesouramento do fruto da pilhagem em paraísos fiscais. Portanto, não se deu sob a forma de investimentos produtivos visando a expansão dos setores industriais e de serviço da economia brasileira. Nesse sentido, estimativas extremamente conservadoras de agências internacionais indicam a existência de depósitos superiores a US$ 100 bilhões de brasileiros nas assim denominadas ‘ilhas do inconfessável‘.

Chama atenção a copiosa documentação de que se utiliza o autor para dar suporte à sua argumentação, representada por 133 páginas de fac-símiles, o que significa dizer que cerca de 40% do livro comporta parte do valioso acervo documental, constituído basicamente por comprovantes de operações bancárias, procurações, escrituras, requerimentos, estatutos, fichas cadastrais, pareceres da Justiça e da Fazenda, e documentos afins, escriturados em cartório, por ele utilizados como prova do crime.

Nesse sentido é de causar pasmo e repulsa a reação de José Serra, ministro do Planejamento à época das privatizações, o desdenhar do trabalho de investigação jornalística de Amaury Ribeiro Jr., em declaração ao diário O Estado de São Paulo, nos seguintes termos: É lixo, lixo. (sic).

A questão de fundo que suscita esta resenha é verificar até que ponto um trabalho de jornalismo investigativo constitui fonte segura e consistente para o trabalho acadêmico, posto não se tratar de uma fonte primária, para dela fazer exaustivo uso no encadeamento do seu objeto de reconstituição da verdade informativa.

Vale lembrar que o final do ciclo militar ensejou um marco profícuo do ainda incipiente jornalismo investigativo no Brasil. Tenho aqui em mente, para citar um único exemplo, o nome do jornalista José Carlos de Assis e trabalhos seus como A Chave do Tesouro: anatomia dos escândalos financeiros no Brasil 1974/1983 e, Os Mandarins da República: anatomia dos escândalos da administração pública; ambos publicados pela editora Paz e Terra em 1983 e 1984, respectivamente.

Mesmo que não signifique uma retomada desse tipo de jornalismo sadio porque comprometido com a busca da verdade, de que tanto o Brasil carece, o trabalho de Amaury Jr. é um acontecimento ao qual não se pode ficar indiferente. Aliás, o mutismo da chamada grande imprensa perante o seu lançamento, a maneira hostil com que os donos do poder no período por ele retratado rechaçaram o livro – mesmo admitindo que não o leram – e, mais que isso, as resenhas de encomenda banalizando a obra, são motivos mais que suficientes para suscitar o interesse em conhecer o todo do seu conteúdo, estudá-lo e analisá-lo.

E, para o cientista da área de humanas, em especial aqueles dedicados ao estudo do fato econômico e das relações que ele encerra ter acesso aos acontecimentos das nossas realidades sócio-políticas e econômicas entre outras, através do gradiente do jornalismo investigativo certamente que só enriquece as suas possibilidades de compreensão do seu objeto de estudo, sem que isso signifique uma recusa à manipulação dos frios números das estatísticas censitárias, dos balanços e informes, todos igualmente imprescindíveis à compreensão dos fenômenos econômicos e sociais, e necessários à inferência de políticas públicas progressistas num país de concentração de renda abismal como o Brasil.

Por outro lado, as revelações como contidas no livro A Privataria Tucana têm o mérito adicional de por a desnudo a demagogia solerte, e, sobretudo, a insensibilidade social medonha do governo fernandista, que durante seus oito anos de mandato, praticou uma gestão orçamentária restritiva, em plena consonância com as exigências ortodoxas do Fundo Monetário Internacional (FMI), gestão essa, baseada em drásticos cortes no Orçamento da União e no contingenciamento das verbas públicas, inclusive com efeitos perversos nos Estados e Municípios, no que concerne a repasses, penalizando, particularmente, os segmentos sociais mais vulneráveis, privando-os de atendimento em saúde, educação e saneamento básico. Assim, enquanto os pobres eram privados do minimumexistencia, da responsabilidade do Estado – e aqui reside a hipocrisia maior do ‘príncipe da sociologia brasileira‘ revelada em A Privataria Tucana –via privatização, precarização e aumento de preços dos serviços públicos, recursos comparativamente superiores, expressos em bilhões de dólares norte-americanos jorravam pelo ladrão da corrupção oficial e endêmica.

Apenas para recordar um exemplo mencionado por Amaury Jr., somente através do Banestado foram expatriados rumo a paraísos fiscais cerca de US$ 30 bilhões, em valores da época. Essa quantia, é o que se depreende da leitura do livro, representa uma mixórdia em relação ao montante global descaminhado pelos privatistas da era FHC, considerando-se que cerca de 80% do patrimônio público estatal foram levados à haste pública, sob as variadas formas de desnacionalização. Período este em que coincidentemente (?) a participação de firmas estrangeiras no faturamento da indústria do Brasil saltou de 27% para 42%.

Amaury Jr. vasculha, por assim dizer, os porões soturnos de uma corrupção de dimensões imperscrutáveis onde ele com suas motivações e incentivos consegue, e nisso parece que foi bem-sucedido, mostrar ao leitor uma das pontas desse meio ‗iceberg‘ meio ‗bicho de sete cabeças‘. Nesse sentido, a própria estrutura do livro – me refiro a partir do capítulo 3, que leva por título Com o Martelo na Mão e uma Idéia na Cabeça, até o capítulo 13 – O Indiciamento de Verônica Serra, é reveladora. O Capítulo 4 – A Grande Lavanderia – cumpre, até por seu didatismo, o papel de lição la minute, para os não iniciados no assunto, sobre a prática do branqueamento de dinheiro sujo. Introdução necessária para que o leitor acompanhe a digressão do jornalista na descrição dos tortuosos trajetos que vão dos leilões aos paraísos fiscais.

Os capítulos seguintes que vão do 5 – Aparece o Dinheiro da Propina, ao 8 – O Primo mais Esperto de José Serra, penetram fundo na engrenagem da corrupção e colocam em relevo seus atores principais e coadjuvantes, que, a bem da verdade, não são muitos, algo compreensível, porque no mundo do crime, a seleção de comparsas faz parte do segredo do negócio. Pelas razões evidenciadas pelo autor, trata-se de figuras destacadas dessa quase-acumulação: o próprio presidente da República, à época, Fernando Henrique Cardoso, porta-bandeira da consigna “Vender Tudo que der para Vender”; o seu ministro do Planejamento, José Serra, para quem não havia problemas em “pagar para vender”; Ricardo Sérgio de Oliveira, amigo e ‘caixa‘ das campanhas de Serra e FHC, para o Senado e Presidência da República, descrito no livro como ‘o pai do esquema‘. Sem a pretensão de citar nominalmente todos os coadjuvantes, há, contudo, um nome a reter: o do empresário espanhol naturalizado brasileiro Gregório Marin Preciato, alcunhado por Amaury Jr. de ―mais esperto‘ entre outros motivos porque, com duas empresas falidas, endividado com o Banco do Brasil até o pescoço (devia ao banco estatal R$ 20 milhões), mesmo assim, logrou doar mais de R$ 87 milhões para ajudar a financiar a campanha senatorial do primo José Serra.

Portanto, não restam dúvidas de que dentro dos objetivos a que se propôs, e tendo em linha de conta que os fatos aludidos são rigorosamente comprovados, agravado pelo feito de que nenhum desmentido sério foi apresentado questionando as afirmações ou mesmo ao arsenal de provas esgrimidas pelo autor, o livro A Privataria Tucana, independentemente das razões por ele declaradas ou subjacentes que o tenham motivado à empreitada, constitui um legado documental precioso a se ter em conta nas pesquisas envolvendo o processo de privatizações e a corrupção paraestatal no Brasil.


Resenhista

Wilson Gomes de Almeida – Engenheiro Agrônomo pela Academia de Ciências Agrícolas de Sófia/Bulgária e doutor em História Econômica pela USP.


Referências desta Resenha

RIBEIRO JUNIOR, Amaury. A Privataria Tucana. São Paulo: Geração Editorial, 2011. Resenha de: ALMEIDA, Wilson Gomes de. Revista de Economia política e História Econômica. São Paulo, ano 08, n. 28, p. 229-234, agosto, 2012. Acessar publicação original [DR]

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.27, dez. 2011/jan. 2012.

REPHE 27 – Dezembro de 2011/Janeiro de 2012

  • Gestão das Políticas Fiscal e Monetária: os efeitos colaterais da crise mundial no crescimento da economia brasileira
  • José Matias-Pereira
  • Transições hegemônicas e caos sistêmico: ocorrências históricas e novos questionamentos a partir da obra “Caos e Governabilidade no Moderno Sistema Mundial”
  • Bruno Hendler
  • Modernização e Crescimento Econômico: a cidade e a nova dinâmica sociourbana
  • Maria da Penha Smazarro Siqueira
  • Reforma Agrária e Contra-Reforma: a modernização agrícola a partir de JK
  • Pedro Vilela Caminha
  • A História Econômica entra em Campo: O Rio de Janeiro e as competições esportivas internacionais de 1919 e 1922
  • João Manuel Casquinha Malaia Santos
  • O Mercado na Prática: uma leitura do conceito de “mercado” e a sua aplicação nos estudos sobre o período colonial brasileiro
  • Raphael Freitas Santos

RESENHA: SILVA, Marcelo Squinca da. Energia Elétrica: Estatização e Desenvolvimento, 1956-1967. São Paulo: Alameda, 2011.

Energia Elétrica: Estatização e Desenvolvimento, 1956-1967 | Marcelo Squinca Silva

O impacto do trato com as fontes de energia sobre o crescimento (e desenvolvimento) econômico é ponto mais do que pacífico no debate econômico. Em uma sociedade de mercado, a maneira pela qual se organizem as relações produtivas de determinada fonte energética pode representar a diferença entre o desenvolvimento ou subdesenvolvimento de uma economia. Ao se observar uma economia subdesenvolvida, como a nossa, surgem várias explicações atribuindo as causas de tal condição a distintos fatores, pertinentes às mais diversas ordens.

Dada, retrospectivamente, a criatividade intelectual em vislumbrar problemas inexistentes, questões vazias e falsos dilemas, ora reinventando a roda, ora atribuindo-lhe ângulos que lhe expliquem a aerodinâmica, não é sem grande alívio que recebemos a publicação da Tese de Doutoramento de Marcelo Squinca, que usa um método antigo e simples para analisar as deformações estruturais de nosso setor elétrico: a análise histórico-econômica. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.26, ago. 2011.

REPHE 26 – Agosto de 2011

  • O Conceito de Instituições na Nova Economia Institucional: notas para uma discussão
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • Modelo para Controle de Custos de Obras Públicas: um instrumento para um melhor gerenciamento dos dispêndios públicos
  • Antonio Carlos Rea
  • Leonardo Fernando Cruz Basso
  • O Emprego de Mão-de-obra Escrava em Atividades Industriais no Brasil – Século XIX
  • Eduardo Tomasevicius Filho
  • Panorámica de la relación de México con Estados Unidos, autonomía y conflictos actuales
  • Marta G. Loza Vázquez
  • Coesão Social e Desenvolvimento: o método histórico-estrutural e a longa divergência entre Austrália e Argentina
  • Rodrigo Luiz Medeiros Silva
  • O papel da história na Economia: a afirmação da Economia Política como teoria crítica
  • Valéria Lopes Ribeiro

RESENHA: FALEIROS, R. N. Fronteiras do Café: Fazendeiros e ‘Colonos‘ no Interior Paulista (1917-1937). Bauru: EDUSC.2010.

Fronteiras do Café: Fazendeiros e ‘Colonos‘ no Interior Paulista (1917- 1937) | Faleiros R. N.

O livro Fronteiras do Café: fazendeiros e ‘colonos‘ no interior paulista (1917-1937) resulta da tese de doutorado defendida por Rogério Naques Faleiros, em 2007, no Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. A publicação deste trabalho, pela EDUSC, possibilita, aos leitores interessados, um bom texto que aborda o fado enfrentado pelos produtores diretos (empreiteiros e parceiros, ambos chamados pela literatura de colonos do café) no bojo da efervescente marcha leste–oeste dos cafezais, a qual transformou amplos sertões em verdadeiros mares de café. Leia Mais

The Euro: The battle for the new global currency | David Marsh

Ainda sem tradução para o português, o livro The Euro: The battle for the new global currency, de David Marsh, se apresenta como mais uma obra lançada no calor da crise que abala os países da Zona do Euro. Porém, não é apenas mais uma obra sobre o assunto que trate de teorias sobre finanças ou mercados. Pelo contrário, o livro tem uma interessante proposta de análise histórica dos eventos relacionados à criação da moeda europeia e da crise que atinge as nações que a adotaram.

O autor, David Marsh tem larga convivência com o assunto, como articulista do jornal Financial Times desde 1978, colecionando fatos que ajudaram a dar substância ao livro. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.25, jun. 2011.

REPHE 25 – Junho de 2011

  • A China e a Globalização: Aspectos de uma Estratégia Nacional
  • Marcos Cordeiro Pires
  • Banco do Brasil: estatutos comparados (1808, 1833, 1853)
  • Thiago Fontelas Rosado Gambi
  • A Gestão Pública Brasileira, Alguns Elementos Inovadores que perpassam desde o Brasil Colonial até o Brasil Republicano
  • Glinzer Santa Cruz da Silva Costa
  • A Posse de Escravos em uma Paróquia Fluminense: São Cristóvão, 1870
  • José Flávio Motta
  • Nelson Nozoe
  • Iraci Del Nero da Costa
  • Precarização do Emprego Formal na Indústria Têxtil Cearense e Norte- rio-grandense – 1998/2008
  • Luís Abel da Silva Filho
  • Silvana Nunes de Queiroz
  • Marx Matemático
  • Lincoln Secco

Resenhas: FRIEDEN, Jeffry A. Capitalismo Global: história econômica e política do século XX. Tradução Vivian Mannheimer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.23, jan. 2011.

REPHE 23 – Janeiro de 2011

  • A Economia Brasileira e a Crise Econômica Mundial
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli
  • Julio Gomes da Silva Neto
  • A crise anunciada: avaliando o poder preditivo da contabilidade nos relatórios dos bancos envolvidos na crise financeira mundial de 2008
  • Luiz Carlos Marques dos Anjos
  • Luiz Carlos Miranda
  • Umbelina Cravo Teixeira Lagioia
  • Daniel José Cardoso da Silva
  • Ciclos econômicos e a consolidação do território de Governador Valadares
  • Sônia Maria Queiroz de Oliveira
  • Carlos Alberto Dias
  • A realização de interesses da Iniciativa Privada na produção pública de Habitações Sociais do Estado de São Paulo no século XX
  • Itaquê Santana Barbosa
  • La industrialización brasileña empezó em el Nordeste azucarero del siglo XIX, La experiência del polo de Recife
  • Glinzer Santa Cruz da Silva Costa
  • Apontamentos sobre a periodização dos modos de produção no debate marxista: teoria e política da transição.
  • Daniel Feldmann

RESENHA: MELLO, João Manoel Cardoso de. O capitalismo tardio. Contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira.

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.24, jan. 2011.

REPHE 24 – Janeiro de 2011

  • Ascensão Do Neoliberalismo e Ruptura do Estado de Bem Estar Social nos Países Europeus
  • Fernando Augusto Mansor de Mattos
  • Modernização Econômica do Brasil nas Últimas Décadas do Segundo Reinado: o Caso da Fábrica de Ferro São João de Ipanema
  • Nilton Pereira dos Santos
  • Um mercado de Antigo Regime: notas acerca da formação do mercado mineiro do ouro, século XVIII
  • Carlos Leonardo Kelmer Mathias
  • A Moeda Europeia e os Projetos Nacionais: os Papeis de França e Alemanha e o Surgimento do Euro
  • Wagner W. de Sousa
  • Economia, Política e Demografia: Expectativas e Possibilidades da Reforma da Previdência Social no Brasil
  • José Matias-Pereira

RESENHA: COSTA, Jorge et alli. Os donos de Portugal. Cem anos de poder econômico (1919-2010).

Os donos de Portugal. Cem anos de poder econômico (1919-2010) | Jorge Costa

Um texto fluído e agradável que prende a atenção do leitor ao longo das suas quase 450 páginas. O levantamento foi primoroso e nos mostra a evolução da elite econômica portuguesa ao longo do século XX, seja no período da ditadura salazarista, caetanista, seja no período da Revolução dos Cravos, suas viradas à esquerda e o período pós adesão à Comunidade Econômica Europeia.

Escrita a cinco mãos, a obra é o trabalho conjunto de historiadores e economistas, professores da Universidade Nova de Lisboa, alguns deles deputados da Assembleia da República. O grupo é liderado por Jorge Costa, jornalista e estudioso de História Econômica do país, que exerce a direção do Bloco de Esquerda, um partido político formado em 1998, a partir da fusão da União Democrática Popular (de orientação marxista), do Partido Socialista Revolucionário (com ideologia trotskista) e da Política XXI, união de ex-militantes do Partido Comunista Português, e pensadores independentes. Leia Mais

O capitalismo tardio. Contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira | João Manuel Cardoso de Mello

A Editora Unesp, em parceria com a Facamp está relançando um conjunto de obras clássicas sobre a história econômica do Brasil. Uma destas, O Capitalismo Tardio, de João Manuel Cardoso de Mello, estava esgotada há doze anos. Trata-se de sua tese de doutorado, defendida no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, um Instituto criado em 1967, tendo como núcleo a área de economia, em 1975. No prefácio da tese — excluído das edições em livro — João Manuel Cardoso de Mello explica que sua intenção inicial era “examinar o papel do capital estrangeiro em nosso desenvolvimento”. Entretanto, à medida que o trabalho avançava o autor foi percebendo as fragilidades da escola de economia política na qual se educara, a Cepal (Comissão econômica para a América Latina e Caribe). O propósito se deslocou, assim, para a ideia de que “era preciso pensar o desenvolvimento brasileiro como formação de um certo capitalismo, de um capitalismo que nascera tardiamente”. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.22, ago. 2010.

REPHE 22 – Agosto de 2010

  • Plano Trienal: uma Visão Crítica
  • Rubens Augusto de Miranda
  • Aprendizado, Inovação e Catching-up: os Efeitos do Aprendizado Tecnológico em Empresas Brasileiras e Sul-Coreanas
  • Yuri Cesar de Lima e Silva
  • Maria Lussieu da Silva
  • O Papel dos EUA e da URSS na Reconstrução do Estado Alemão na República de Weimar
  • Flávio Schluckebier Nogueira
  • Ha-Joon Chang, o Modelo Econômico Asiático e a Economia
  • Política Comparada
  • Alexandre Queiroz Guimarães
  • Industriais em Elaboração Intelectual: O I Congresso Brasileiro de Economia e um retorno à ‘Controvérsia’ do Planejamento
  • Arthur de Aquino

RESENHA: COSTA, Márcio Jorge Porangaba. Desenvolvimento Econômico: controvérsias em torno de um consenso.

Desenvolvimento Econômico: controvérsias em torno de um consenso | Márcio Jorge Porangaba Costa

Leitura fácil, fluente, informativa, didática e interessante por toda a sua extensão. O autor perpassa o histórico do conceito de desenvolvimento econômico desde suas origens, ligadas aos primórdios da Economia Política e às concepções de modernidade, passando pela relação com o subdesenvolvimento e a contribuição da Comissão Econômica Para a América Latina (CEPAL) ao debate, até as teorias ligadas ao neoliberalismo, bem como as que apresentam um contraponto entre desenvolvimento social e desenvolvimento humano e as que simplesmente concebem a idéia de desenvolvimento como um mito. Tal passagem é feita com vários cuidados que constituem, em nosso ver, as virtudes maiores da obra. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.21, jun. 2010.

REPHE 21 – junho de 2010

  • Emigração, crise econômica e retorno à terra natal
  • Sueli Siqueira
  • A Sociedade Promotora de Imigração como forma de compensação pela libertação dos cativos (1886 – 1895)
  • Ivison Poleto dos Santos
  • Evolução das formas da produção e do trabalho: uma abordagem do marxismo ao toyotismo.
  • Luís Abel da Silva Filho
  • Silvana Nunes de Queiroz
  • Yes! We Can: de um território em crise à construção de uma identidade territorial
  • Leonardo Gomes de Sousa
  • Carlos Alberto Dias
  • Investimento estrangeiro e fluxo imigratório: duas âncoras do crescimento da economia argentina no século XIX
  • Maria Heloísa Lenz

RESENHA: MAO JR. J. A Revolução Cubana e a Questão Nacional.

A Revolução Cubana e a Questão Nacional | José Rodrigues Mao

A Revolução Cubana sempre foi mais do que um objeto de estudo acadêmico. Desde os primeiros textos produzidos pelos intelectuais que buscaram compreender o significado histórico da aça político-militar que libertou a Ilha de Cuba das garras do império norte-americano, a tônica foi sempre o engajamento. Intelectuais que transitavam do prestígio acadêmico para o compromisso revolucionário incorporaram essa mutação política. Wright Mills, acostumado a desnudar os mecanismos de reprodução das classes dominantes no centro do Império, viu Cuba como uma centelha de esperança. Jean-Paul Sartre, perturbado com os impasses do comunismo soviético, escreveu seu belo depoimento chamado “Furacão Sobre Cuba”. Na mesma época ele fazia o prefácio do mais eminente livro dos anos 60: “Os Condenados da Terra” de Franz Fanon, que, na esteira da Revolução Cubana e em plena Revolução Argelina, dava dignidade poética à violência revolucionária. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.20, jan. 2010.

REPHE 20 – janeiro de 2010

  • Antecedentes da atual crise sistêmica
  • Osvaldo Luis Angel Coggiola
  • Desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre, 1995 – 2005
  • Maria de Fátima S. C. Previdelli
  • O Novo Papel do Estado Frente ao Avanço do Neoliberalismo
  • Hermes Moreira Júnior
  • O Conceito de Desenvolvimento Econômico para Periferia em Perspectiva Histórica.
  • Julio Gomes da Silva Neto
  • Nota sobre a Era do Imperialismo
  • Lincoln Secco

Resenha: ESPÍNDOLA, Haruf Salmen. Sertão do Rio Doce.

Sertão do Rio Doce | Haruf Salmen Espíndola

Haruf Salmen Espindola possui graduação em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (1981), Mestrado em História pela Universidade de Brasília (1988) e Doutorado em História Econômica pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professor titular da Universidade Vale do Rio Doce.

O livro é resultante de sua tese de doutorado em história econômica pela Universidade de São Paulo que tem por título original O Sertão do Rio Doce. Navegação Fluvial e incorporação do território de Floresta tropical por Minas Gerais 1800-1845, obtida em 2000, orientada pelo professor Dr. José Eduardo Marques Mauro e aborda a guerra de conquista empreendida pela Coroa Portuguesa e depois pelo Império do Brasil, buscando transformar o Rio Doce num canal de ligação com um porto marítimo e, assim, integrar a economia de Minas Gerais ao mercado mundial. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.19, dez. 2009.

REPHE 19 – dezembro de 2009

  • A formação intelectual de Celso Furtado
  • Marina Gusmão de Mendonça
  • A questão agrária como obstáculo ao desenvolvimento em Caio
  • Prado Junior e Celso Furtado
  • Armando Lírio de Souza
  • A Estrada de Ferro Dona Tereza Cristina na formação do complexo carbonífero de Santa Catarina
  • Alcides Goularti Filho
  • Inconsistências e colapsos cambiais nas economias emergentes nos anos 90: o caso do México, Sudeste Asiático e Brasil
  • Paulino Varela Tavares
  • Edison Benedito da Silva Filho
  • O projeto mais liberal de Roberto Campos
  • Bruno Bezerra Cavalcanti Godoi

Resenha: ROMÃO, Antonio (org.). A economia portuguesa 20 anos após a adesão.

A economia portuguesa 20 anos após a adesão | Antonio Romão

O ano de 2006 foi o marco das comemorações de 20 anos da entrada oficial de Portugal na Comunidade Econômica Europeia(CEE) e, como tal, foi palco de diversas celebrações, eventos e, também, reflexões sobre o significado da adesão portuguesa ao bloco europeu.

Nesse contexto, o professor doutor Antonio Romão, catedrático do Instituto Superior de Economia e Gestão(ISEG) da Universidade Técnica de Lisboa(UTL), lançou o livro de análise da economia portuguesa nos vinte anos da adesão em obra conjunta com outros 15 especialistas – a maioria, professores colegas da mesma universidade, salvo duas exceções: o professor Manuel Cardoso Leal, assessor do conselho administrativo do Instituto de Financiamento e Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura e Pesca, do Ministério da Agricultura português, e o economista Carlos Correia da Fonseca, especialista na área de transportes. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.17, jun. 2009.

REPHE 17 – junho de 2009

  • Natureza das propostas de desenvolvimento econômico para a América Latina através da prevalência do balanço de pagamentos
  • Júlio Gomes da Silva Neto
  • A União Européia e a crise econômica mundial
  • Maria de Fátima S. C. Previdelli
  • Um cálculo das taxas de lucro na manufatura norte-americana a partir dos dados do Bureau of Economic Analysis: 1948-2001
  • Vitor Eduardo Schincariol
  • Neoliberalismo no Brasil pós-1990: premissas teóricas funcionais a serviço da continuidade
  • Matheus de Carvalho Hernandez
  • Fronteira aberta: território e natureza nas memórias, corografias e relatos de viajantes em Minas Gerais do século XIX.
  • Jean Luiz Neves Abreu

Resenha: ITUASSU, A. e ALMEIDA, R. (orgs.) O Brasil tem jeito?

O Brasil tem jeito? | A. Ituassu

O título é sedutor. A proposta parece progressista. Entre os textos organizados estão autores como Luiz Gonzaga Belluzzo e Wanderley Guilherme dos Santos. Um transeunte ingênuo na livraria poderia até dizer que a presença de Miriam Leitão, Merval Pereira e Gustavo Franco forneceriam certa pluralidade à proposta dos autores. Se estiver com pressa, e não olhar a orelha do livro que “pretende servir de base para o cidadão nos pleitos que virão”, acaba até levando-o para casa. Confesso a minha desatenção.

Ao começar a folhear o livro em casa, dando-me conta do engodo, tentei me conformar com o argumento de que “afinal, trata-se de uma amostra do pensamento da intelligentsia brasileira”. Pesquisa de campo. No final, a sensação de estar diante de um “museu de grandes novidades” persistiu em uma obra que nada acrescenta ao atual debate sobre a conjuntura brasileira, e, no que visa a propor, comete erros e simplificações grosseiras. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.16, jan. 2009.

REPHE 16 – janeiro de 2009

  • A Ouverture da Energia Atômica no Brasil: 1946-1956
  • Paulo Marques
  • Os Mecanismos Institucionais da Gestão da Dívida Pública
  • Mobiliária durante o Regime Militar Brasileiro (1964-1984)
  • Orlando Assunção Fernandes
  • Estamento Burocrático e Intencionalidade: Raymundo
  • Faoro, Florestan Fernandes
  • Paulino Varela Tavares
  • Pedro Cezar Dutra Fonseca
  • Palestra: A Corrente Estruturalista-Keynesiana de História
  • Econômica
  • Wilson do Nascimento Barbosa
  • Resenhas: STIGLITZ, Joseph e BILMES, Linda J. The Three Trillion Dollar War –The True Cost of Iraq Conflict.

SECCO, Lincoln. Caio Prado Júnior, o sentido da revolução.

The Three Trillion Dollar War – The True Cost of Iraq Conflict | Joseph Stiglitz e Linda J. Bilmes.

Num mundo dominado por forças hostis, são sempre muito bem vindas pelos progressistas as obras em que a guerra e o imperialismo são criticados. Porém, a crítica não pode deixar de fazer a “crítica da crítica”, a troco de permitir reforçar as posições dos adversários às custas das próprias perspectivas que se julgam contestadoras – como mostrou uma vez Marx na crítica ao Programa de Gotha.

Chegou ao Brasil, praticamente no mesmo momento de seu lançamento nos Estados Unidos, a obra The Three Trillion Dollar War – The True Cost of Iraq Conflict, de co-autoria de Joseph Stiglitz e Linda Bilmes. Joseph Stiglitz é um economista de renome mundial, e dispensa maiores apresentações. Já ela, além de professora da Harvard University’s Kennedy School of Government, trabalhou em cargos do governo norte-americano, tendo sido, entre outros, secretária do Department of Commerce. Leia Mais

Caio Prado Junior, o Sentido da Revolução | Lincoln Secco

A obra de Caio Prado Júnior foi um marco na história do pensamento brasileiro. Ao lado de Gilberto Freyre, autor de Casa-Grande e Senzala (1933); de Sérgio Buarque de Holanda, autor de Raízes do Brasil (1936), Caio Prado Júnior marcou esta geração de grandes intelectuais brasileiros da década de 1930, com a publicação de Evolução Política do Brasil (1933).

Caio Prado Júnior partilhou – assim como inúmeros intelectuais de sua geração – da ousada preocupação de tentar entender a realidade brasileira como uma totalidade dotada de sentido, através de grandes obras de síntese. Esta perspectiva foi em parte abandonada pelas gerações seguintes que em nome de uma crescente especialização do conhecimento passaram a produzir trabalhos de caráter cada vez mais fragmentário. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.15, dez. 2008.

REPHE 15 – dezembro de 2008

  • Os 160 Anos de Atualidade do Manifesto Comunista
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • A Economia Política do Governo Lula da Silva
  • Luis Antonio Paulino
  • João Pinheiro da Silva, um Desenvolvimentista nos Primórdios da República? Um Diálogo com as Fontes
  • Marcos Fábio Martins de Oliveira
  • Desenvolvimento Financeiro e Crises no Brasil Imperial
  • Thiago Fontelas Rosado Gambi
  • Trabalho Produtivo e Serviços em Marx
  • Lincoln Secco

Resenhas: FIGUEIREDO, J. Modos de ver a produção no Brasil.

  • PIRES, M. Brasil e China na Globalização.

Modos de ver a produção no Brasil | José Ricardo Figueiredo

Modos de ver a produção do Brasil, de José Ricardo Figueiredo, mostra ao longo de suas mais de 600 páginas um panorama abrangente da historiografia feita sobre o país, desde quando América Portuguesa, até a época contemporânea.

Apesar de Figueiredo não atuar na área da História, ou ainda das Ciências Sociais, buscou apresentar a produção historiográfica sobre o país, desde o século XVI até o século XX, indo além da simples consolidação de textos para também compará-los à luz do conceito de modo de produção, ou seja, de que somente através do conhecimento de como uma sociedade organiza a sua produção que se pode estudar sua vida social e política, o que evidência influência claramente marxista do trabalho realizado. Leia Mais

Brasil e China na Globalização | Marcos Cordeiro

O texto coloca a diferença de inserção do Brasil e da China no contexto neoliberal principalmente no período de 1980 a 2006, onde o primeiro cresceu cerca de 2,5% (Produto interno) e o segunda 10% (Produto interno). No Brasil, além da crise da dívida externa e crise fiscal foram adotadas as políticas neoliberais, que consistiam na liberalização do mercado, privatização de empresas, resultando em estagnação, nesse contexto o Brasil seguia o “Consenso de Washington”. Na China foi implementado um acelerado e moderno crescimento, mecanismos de mercado, tais como o investimento externo, também uma estratégia de liberalização, esses sob o controle do Estado, o modelo chamado de “Consenso de Pequim”, o mesmo também foi analisado por Joshua C Ramo, ex diretor da revista Times, que antes encontrou estruturas políticos sociais importantes por de trás de uma estratégia de desenvolvimento econômico. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.13, ago. 2008.

REPHE 13 – agosto de 2008

  • Geohistória
  • Lincoln Secco
  • As Contradições das Políticas de “Urbanização de Favelas”
  • Fabiana Valdoski RIbeiro
  • O Meridional Migrante, as Cidades do Silêncio e o “Mistério de Nápoles”
  • Carlos Alberto Rizzi
  • O “modelo insular”: Ratzel e suas contribuições às idéias de Fernand Braudel sobre as origens do capitalismo
  • Larissa Alves de Lira
  • Alimentação no Brasil Colonial: economia, sociedade e cultura Rubens
  • Leonardo Panegassi
  • Caminhos alternativos à inovação científica e tecnológica: o caso da biotecnologia brasileira e o Projeto Genoma Fapesp
  • Agnaldo dos Santos

RESENHA: ARRIGHI, G. Adam Smith em Pequim.

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.14, ago. 2008.

REPHE 14 – agosto de 2008

  • Navegação a Vapor na Bahia Oitocentista: tentativa de integração territorial e desenvolvimento regional
  • Marcos Guedes Vaz Sampaio
  • Toyotismo, desemprego e refluxo da classe operária no Brasil 1990-2005
  • Alessandro de Moura
  • O Papel dos Atores Sociais para a Obtenção do Desenvolvimento Nacional Segundo Caio Prado Júnior e Celso Furtado
  • Mirelli Malaguti
  • Andrés Ferrari
  • Nacionalismo e desenvolvimento em Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso
  • José Elesbão de Almeida

RESENHA: SANTISO, Javier (org.). The Visible Hand of China in Latin America.

The Visible Hand of China in Latin America | Javier Santiso

Quando der errado, culpe a China! É uma fórmula de sucesso infalível. Aquecimento global? Culpa da China. Desemprego nos Estados Unidos e na Europa? Culpa da China. Inflação mundial? Culpa da China. Aumento nos preços do petróleo? Culpa da China. Aumento no preço dos alimentos? Culpa da China. Fracasso da Rodada de Doha? Culpa da China. Ditaduras na África? Culpa da China. Desindustrialização no Brasil? Culpa da China. Não há, enfim, problema no mundo para o qual não surja algum “especialista” com a resposta na ponta da língua: é culpa da China!

Até o que não é problema, se ocorre na China, é. Os chineses inventaram muitas coisas, da pólvora ao macarrão, mas não consta que tenham inventado a dublagem. Mas se utilizam esse recurso – que se usa no mundo desde a primeira película do cinema falado – para realizar a mais bela abertura dos Jogos Olímpicos de que se tem notícia nos tempos modernos, é um problema. E se a empresa de material esportivo do ex-atleta chinês que acendeu a tocha olímpica correndo na perpendicular pela borda do estádio aumenta seu valor na Bolsa de Xangai em US$ 30 milhões, é um problema. Se fosse a Nike ou a Adidas, aí tudo bem. Leia Mais

Adam Smith em Pequim | Giovanni Arrighi

Giovanni Arrighi é velho conhecido nos meios intelectuais das Ciências Sociais brasileiras, principalmente devido a sua obra mais conhecida O longo século XX, publicada pela Editora Contraponto, do Rio de Janeiro. No ano passado (2007), Arrighi lançou nova obra, onde continua sua interpretação sobre os canais de acumulação de capital em escala mundial, especialmente aquela calcada especificamente no crescimento da China contemporânea. A obra, que foi editada no Brasil neste ano de 2008, chama-se Adam Smith em Pequim, e foi editada pela Editora Boitempo. Na edição nacional, há um interessante prefácio de Theotonio dos Santos.

A temática discutida baseia-se na seguinte indagação de Adam Smith: haverá um momento onde chegaria ao fim a supremacia econômica de um determinado continente, ou “raça”, sobre a maior parte das outras – com o crescimento do poder político e econômico de todos os povos atingindo um patamar mais ou menos similar? Haverá um tempo onde as diferentes culturas regionais do mundo poderão encontrar-se numa arena onde as forças econômicas nas quais se apóiam terão um grau mais ou menos parecido de força, extinguindo-se a dominação internacional de uns povos sobre outros? Traduzindo em termos mais concretos: poderá o crescimento do poder chinês pôr em xeque o papel que os Estados Unidos ainda têm (ou tinham, na própria análise de Arrighi) hoje no mundo? Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.11, jan. 2008.

REPHE 11 – Janeiro de 2008

  • História Econômica: considerações sobre um campo disciplinar
  • José D’Assunção Barros
  • Modernização Conservadora e os Diferentes Sistemas Agrários: Propriedade de terra e relações de produção na transição para o capitalismo na “Velha Província” (1850-1888)
  • Daniel de Pinho Barreiros
  • Aspectos do crescimento recente dos Estados Unidos
  • Vitor Eduardo Schincariol
  • Zizek y Althusser. Vida ou morte da leitura sintomática
  • Mariana Cecilia de Gainza

RESENHA: PAOLERA, G. e TAYLOR, A (eds.). A New Economic History of Argentina.

A New Economic History of Argentina | G. Paolera e A. Taylor

O livro se apresenta como uma “homenagem” ao trabalho de Carlos Díaz Alejandro, autor de obras clássicas na historiografia econômica argentina, como… O livro o homenageia na medida em que busca “atualizar” e “expandir” a análise originalmente feita por Alejandro. Foi reunido, no livro de Paolera e Taylor, um grupo de pesquisadores de universidades argentinas, estadunidenses e européias, para a tarefa.

O resultado, como é de praxe numa obra coletiva, revela-se heterogêneo, tanto em sua forma, quanto em seus resultados. A questão da “regressão secular” da economia argentina é revisitada, a nosso ver, de uma maneira ligeiramente inferior à apresentada por Alejandro. Por outro lado, o capítulo sobre os ciclos econômicos argentinos é instigante e quase tão provocativo quanto o trabalho original de Guido di Tella sobre os ciclos decenais argentinos, publicado no final da década de 1960. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.9, dez. 2007.

REPHE 09 – dezembro de 2007

  • Rebelião de Aragarças: um tema a investigar
  • Marina Gusmão de Mendonça
  • Carestia de alimentos em Minas Gerais no início da segunda metade do século XIX
  • Alisson Eugênio
  • Uma avaliação crítica do pensamento de Roberto Campos nos anos 90
  • Bruno Bezerra Cavalcante Godoi
  • A Economia dos Estados Unidos, 1981 – 2005: uma visão agregada
  • Luiz Eduardo Simões de Souza

RESENHA: PEREIRA, L. Macroeconomia da Estagnação. São Paulo: Editora 34. 2007.

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.10, dez. 2007.

REPHE 10 – especial sobre Caio Prado Júnior – dezembro de 2007

  • Caio Prado Júnior, Jacob Gorender e a escravidão colonial brasileira: uma apreciação crítica
  • Andrés Ferrari Pedro
  • Cezar Dutra Fonseca
  • A presença do agregado na Formação do Brasil Contemporâneo de Caio Prado Júnior
  • Pedro Caminha
  • Caio Prado Júnior como matriz de uma história ambiental
  • Dora Shellard Corrêa
  • Palestra: 100 anos de Caio Prado Júnior
  • José Rodrigues Mao Lincoln Secco
  • Luiz Eduardo Simões de Souza

RESENHA: SANTOS, Raimundo (Org.). Caio Prado Jr. – Dissertações sobre a Revolução Brasileira. São Paulo: Brasiliense: Fundação Astrojildo Pereira, 2007.

Macroeconomia da Estagnação | Luiz Carlos Bresser

Luiz Carlos Bresser Pereira lançou neste ano, pela Editora 34, a obra Macroeconomia da Estagnação, que versa sobre a política macroeconômica vigente no Brasil desde a implantação do Plano Real. Com subtítulo de “Crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós-1994”, a obra pretende engrossar o coro da chamada escola “novo-desenvolvimentista”.

A obra está dividida em onze capítulos; nos dois primeiros – “Quase-estagnação” e “Nação e desigualdade” – faz-se um balanço da economia brasileira desde os anos trinta, basicamente endossando as idéias já presentes em outras obras suas, comentando também o ambiente econômico recente. Os capítulos restantes formam densa análise de aspectos da política macroeconômica que constituem o eixo fundamental da discussão moderna. Comentemos alguns capítulos: Leia Mais

Caio Prado Jr. – Dissertações sobre a Revolução Brasileira | Raimundo Santos

Os debates sobre a questão agrária no Brasil têm se mantido constantes ao longo da história, principalmente nos momentos que marcam as principais revoluções brasileiras. Caio Prado Jr., um dos mais expressivos intelectuais do Partido Comunista Brasileiro (PCB), adotou essas revoluções como temática em textos de sua autoria escritos no período de 1930 a 1977, o que o aproximou consideravelmente das discussões sobre o mundo rural brasileiro.

Em homenagem ao centenário do nascimento deste publicista, comemorado no ano de 2007, Raimundo Santos publicou o livro Caio Prado Jr. – Dissertações sobre a Revolução Brasileira, em que reúne textos escritos por Caio Prado Júnior, dividindo-os em quatro partes: I) A Formação Social (textos de 1933 a 1945); II) A Revolução na Periferia (textos de 1947, 1954 e 1966); III) A Política Contemporânea (textos de 1956, 1962 e 1977) e IV) A Reforma do Mundo Rural (textos de 1960, 1963 e 1964). Leia Mais

100 anos de Caio Prado Júnior (1907 – 2007) | Revista de Economia política e História Econômica | 2007

A Revista de Economia Política e História Econômica – REPHE – celebra o centenário de nascimento de um dos maiores historiadores econômicos do Brasil, Caio Prado Júnior. Os artigos e resenhas deste número, assim, abordam de uma maneira ou outra, os aspectos do pensamento ou da trajetória de vida do autor de Formação do Brasil Contemporâneo. Naquele primeiro aspecto, apresenta-se o texto de abertura, de Andrés Ferrari e Pedro Cezar Dutra Fonseca, que mostram a pluralidade de pensamento e riqueza de debate dentro do pensamento histórico-econômico de esquerda sobre a questão da escravidão, um dos temas-chave do sistema explicativo de Caio Prado. Fonseca e Ferrari colocam os aspectos da compreensão pradiana do fenômeno da escravidão brasileira sob a perspectiva e o crivo de outro grande especialista no assunto: Jacob Gorender. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.8, jul. 2007.

REPHE 08 – Julho de 2007

  • O Desenvolvimento Distante – um balanço das políticas do primeiro governo de Lula
  • Luiz Eduardo Simões de Souza
  • Vitor Eduardo Schincariol
  • Desenvolvimentismo às avessas: o processo de desindustrialização brasileiro sob a égide neoliberal (1990-1999)
  • Felipe Pereira Loureiro
  • O Contrabando Colonial Brasileiro numa perspectiva histórica (século XVIII)
  • Romyr Conde Garcia
  • Desequilíbrios Regionais no Brasil – uma breve discussão conceitual e a importância dos “incentivos”
  • Marcos Fábio Martins de Oliveira

Resenhas: EVANS, P. Embedded Autonomy. States & Industrial Transformation.

  • BELUCCI, B. Economia Contemporânea em Moçambique.

Embedded Autonomy. States & Industrial Transformation | Peter Evans

Passada a “onda” neoliberal que determinava a prevalência do mercado sobre o Estado e a diminuição das funções deste apenas àquelas que garantem os contratos e exercem o monopólio da violência, novas discussões e perspectivas se abrem em busca do desenvolvimento.

Para tanto foi preciso – e aqui um reconhecimento da coerência dos argumentos neoliberais – que aquele Estado que exercia funções cada vez mais capitais no desenvolvimento econômico perdesse sua capacidade de agir. O “Welfare State” consolidado como alternativa ao modelo liberal do pós-Guerra se mostrou sem fôlego diante dos desafios cujas soluções eram mais urgentes e necessárias. Leia Mais

Economia Contemporânea em Moçambique: sociedade linhageira, colonialismo, socialismo, liberalismo | Beluce Belucci

O livro, elaborado por um pesquisador que trabalhou por mais de uma década com projetos de desenvolvimento em Moçambique, apresenta um panorama da formação da economia contemporânea do país, cuja inserção na divisão internacional do trabalho, desde a exploração colonial portuguesa, até a guerra de libertação do regime salazarista, passando pela experiência socialista do governo da Frelimo, hoje encontra-se frente ao impasse das exigências de uma “globalização” que possui todas as características de mais uma rodada espoliativa dos países centrais junto à periferia e índices de desenvolvimento humano que revelam que a opção pela liberalização da economia, feita sob a chantagem do Banco Mundial e do F.M.I. na década de 1980, deu-se muito mais como opção política ― inclusive da classe dirigente de Moçambique ― do que uma questão de julgar-se a eficiência ou viabilidade da economia planificada socialista. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.7, jun. 2007.

REPHE 07 – junho de 2007

  • O Transporte Ferroviário de Cargas no Brasil e na Argentina: da implantação à recente privatização
  • Roberto França da Silva Junior
  • Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico: a dependência da América Latina
  • Cesar Fernando Ribeiro
  • Integração Regional e o Desenvolvimento Latino-americano: diferentes ou iguais?
  • Eduardo Saldanha
  • Transformações do Trabalho, Marginalização Social e Perspectivas na América Latina
  • Danielle Rezera Lina
  • Giraldo Lozano

Resenhas: FURTADO, C. Transformação e Crise na Economia Mundial.

  • URQUIDI, V. L. Otro siglo perdido. Las politicas de desarollo em América Latina (1930 – 2005).

Transformação e Crise na Economia Mundial | Celso Furtado

Em fins de 2006, a Editora Paz e Terra lançou, em forma de livro, dez artigos de Celso Furtado, escritos ao longo dos anos sessenta, setenta e oitenta do século passado, sobre economia mundial. Especificamente, os artigos concentram-se nas modificações do cenário externo após o fim da segunda grande guerra mundial. Sobre o fio condutor destes textos, que contém, de modo geral, as mesmas idéias-força desenvolvidas de modo distinto ao longo dos anos em que escrevia, Furtado escreve:

“A idéia central, desenvolvida ao fio de dois decênios, é simples: as modificações políticas causados pelo segundo conflito mundial conduziram à integração dos mercados das economias capitalistas industrializadas, reduzindo a capacidade reguladora dos estados-nacionais, e aumentando a autonomia de ação das grandes empresas. (p.9-10)” Leia Mais

Otro siglo perdido. Las politicas de desarollo em América Latina (1930 – 2005) | V. L. Urquidi

A crescente especialização acadêmica trouxe aspectos positivos e negativos para o campo da História Econômica. Entre os primeiros, destaca-se a melhor compreensão de processos históricos específicos, mediante análises estruturadas sobre dados empíricos sólidos. Entre os segundos, cita-se o perigo da perda da visão do todo. Muitos desses estudos, excessivamente verticalizados, não demonstram capacidade de articulação entre a parte por eles analisada e complexo tecido da história. O resultado é a terrível sensação de um quebra-cabeça, no qual apenas um dos seus inúmeros pedaços se encontra em nossas mãos. Como o resto se esvaiu, torna-se impossível saber qual seria a imagem formada pelo jogo completo. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.6, dez. 2006.

REPHE 06 – Dezembro de 2006

  • América Latina na Encruzilhada Política e Econômica
  • Osvaldo Luis Angel Coggiola
  • A Geopolítica Brasileira: um caso de “Destino Manifesto” ?
  • Friederick Brum Vieira
  • Aspectos das Privatizações na América Latina
  • Laércio Furquim Junior
  • Novos Papéis das Instituições de Bretton Woods
  • José Carlos da Silva Gomes
  • Mauricio Felippe Manzalli
  • O Brasil no Contexto da Recuperação do Capital Financeiro no Pós-guerra
  • Julio Gomes da Silva Neto

Resenhas:

  • CHANG, H.J. Chutando a escada.
  • SOUZA, L. E. S. de (org.) Ideologia e Ciência Econômica: estudos de caso.

Chutando a escada: A estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica | Ha-Joon Chang

Nesta sua segunda obra, Ha-Joon Chang, atual Diretor Assistente do Departamento de Estudo do Desenvolvimento na Faculdade de Economia da Universidade de Cambridge na Inglaterra, utiliza-se da análise histórica aplicada à Economia para responder à questão se as políticas e instituições atualmente recomendadas aos países em desenvolvimento, foram adotadas pelas nações hoje desenvolvidas durante seus processos desenvolvimentistas.

Chang propõe-se desfazer o mito tão difundido atualmente, da importância do livre-comércio nos processos de desenvolvimento. Para tanto, analisa dados das principais nações desenvolvidas, como Grã-Bretanha, EUA, Alemanha, França, Bélgica, Japão, Coréia, entre outras, apresentando as políticas protecionistas e intervencionistas tomadas e montando um quadro bem diferente do que essas mesmas nações recomendam aos países hoje em desenvolvimento, sendo essa a base para a expressão utilizada no título do livro: “Chutando a escada”, que remete à idéia de que após galgarem os degraus do desenvolvimento, as nações esconderiam o caminho tomado como forma de se manterem protegidas no topo. Leia Mais

Ideologia e Ciência Econômica – estudos de caso | L. e. S. Souza

Aprendemos com Marx que o pressuposto fundamental da dominação social é fazer crer que interesses particulares, restritos a determinados grupos minoritários, são os interesses gerais da sociedade. Para isso, constrói-se uma visão sobre a organização da sociedade que procura legitimá-la. Nas sociedades modernas, o pensamento desempenha este papel, e a forma de legitimá-lo é, sem dúvida, emprestar-lhe um suposto caráter “científico”.

Esta perspectiva surge com força nas correntes liberais do pensamento econômico, e, hodiernamente, nas perspectivas neoliberais. Esta corrente de pensamento, que nasce na metade do século XX mas que triunfa apenas na década de setenta, leva do modo mais radical à frente o binômio composto pela tentativa de pintar os interesses dos dominadores como os interesses gerais mediante um enfoque pretensamente científico da economia. Leia Mais

Estado e Burguesia no Brasil: origens da autocracia burguesa | Antônio Carlos Mazzeo

Uma primeira associação ao título surge de maneira fácil, quase imediata: ao estudar as relações entre estado e burguesia na formação social brasileira, Antônio Carlos Mazzeo remonta à ideia originariamente expressa por Marx e Engels, em seu Manifesto Comunista, a qual serve de epígrafe a esta resenha e norteia nosso entendimento primário dos conceitos utilizados pelo autor ao apresentar suas ideias. Antônio Carlos Mazzeo é um autor marxista, que utiliza, em primeira instância, a análise de Marx e Engels para desenvolver sua apreensão das características da formação histórica da sociedade brasileira. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.5, jul. 2006.

REPHE 05 – julho de 2006

  • A Industrialização de São Paulo: problemas e perspectivas
  • Felipe Pereira Loureiro
  • Previsão de Inovação Tecnológica e Ciclos Econômicos: uma abordagem histórica
  • Rabemo Hemsi
  • Brasil e Argentina: uma análise das políticas econômicas do período 1930-1945
  • Francisco Luiz Corsi
  • Competitividade sistêmica e inovações tecnológicas: notas para discussão
  • Mauricio Felippe Manzalli

Resenhas:

  • JABBOUR, E. China: Infra-estruturas e crescimento econômico.
  • TREVISAN, Claudia. China – O Renascimento do Império.
  • MOTOYAMA, Shozo; MARQUES, Paulo Queiroz & QUEMEL, Maria Angélica Rodrigues. Uma associação para a tecnologia brasileira: Abipti 25 anos.

China: Infra-estruturas e crescimento econômico | E. Jabbour

Trata-se da dissertação de mestrado do autor, publicada com pequenas alterações de texto e formato. O assunto, a economia chinesa, tem-se mostrado cada vez mais relevante na pauta de assuntos ligados à Economia e à História contemporâneas. O mercado editorial doméstico tem, em concordância com essa demanda, inundado as prateleiras das livrarias especializadas com títulos abordando o desempenho e as razões deste para a China, que adentra o século XXI como um país verdadeiramente emergente no cenário internacional, uma economia interna que mantém as maiores taxas de crescimento mundiais, e um parceiro comercial temido e desejado.

Como em todo boom editorial, a qualidade das obras é bastante heterogênea, com títulos realmente informativos e, por outro lado, livros que, ao refletirem pouco além do senso comum ou de pontos específicos de marketing internacional estadunidense (como no caso das traduções), praticamente deixam o leitor no mesmo lugar de onde o retiraram no início. Seria o caso deste livro? Leia Mais

O Renascimento do Império | Claudia Trevisan

Saiu pela editora Planeta do Brasil o relato da jornalista Cláudia Trevisan sobre sua viagem e permanência na China. Trata-se de obra de cunho jornalístico e, assim, pouco rigorosa, do ponto de vista da análise social e econômica. Mas num contexto onde uma visita à China é difícil, e as informações escassas, mesmo a aparente pouca objetividade do relato biográfico é uma fonte valiosa para a pesquisa social.

O objetivo da autora é revelar informações e impressões que teve no período em que viveu na China. Logo, são as informações que o livro traz as que mais importam para a discussão sócio-econômica da China atual, e não a estrutura da obra propriamente dita, ou suas idéias e teses, explícitas ou subjacentes. Uma seqüência de capítulos da primeira das oito partes do livro é: “Cerimônias em alta, casamentos em baixa; Os esquecidos; A língua; Xangai; Beleza Artificial”. Isto é, faz-se uma miscelânea, lançando-se mão de curiosa diagramação: os capítulos mais formais, com informações sociais e econômicas, esto em formatação comum; os capítulos com relatos sobre costumes, cultura etc., estão em itálico. Leia Mais

Uma associação para a tecnologia brasileira: Abipti 25 anos | Shozo Motoyama, Paulo Queiroz Marques e Maria Anglélica Rodrigues Quemel

Shozo Motoyama, Paulo Queiroz Marques e Maria Angélica Rodrigues Quemel prestam um importante serviço à documentação e historiografia sobre o desenvolvimento da tecnologia no Brasil da segunda metade do século XX ao reunir documentos, depoimentos e informações diversas sobre a formação da Abipti.

A Associação Brasileira de Instituições de Pesquisa Tecnológica (Abipti), criada no início dos anos 1980 com o intuito de representar as instituições de pesquisas em tecnologia, demonstrou ao longo de 25 anos, mesmo em situações de turbulências econômicas, autonomia frente às autoridades governamentais, negociando e mostrando aos mesmos, as reais necessidades de fomento de pesquisa e inovação na área tecnológica. Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.4, dez. 2005.

REPHE 04 – Dezembro de 2005

  • O dragão chinês se levanta: transformações econômicas e sociais recentes na república popular da China
  • Marcos Cordeiro Pires
  • O pensamento econômico pecebista em face de outras correntes (1954-1961)
  • Denílson Santos de Souza
  • Notas sobre o método de O Capital
  • Vitor Eduardo Schincariol

Resenhas:

  • STIGLITZ, J. Os Exuberantes Anos 90.
  • GALBRAITH, J. K. A Economia das Fraudes Inocentes.

Os exuberantes anos 90 | Joseph E. Stiglitz

Em Os exuberantes anos 90 Joseph E. Stiglitz traça uma interpretação do grande boom e da subsequente retração da economia norte-americana durante a década de 1990. Trata-se preponderantemente de uma interpretação econômica, sob viés keynesiano, escrita em linguagem simples, sem gráficos nem tabelas, nem pretensões teóricas elevadas. Pelo contrário, Stiglitz quer escrever ao grande público, divulgando uma visão crítica e mais alternativa, que destaque não apenas os pontos positivos da década- que de fato existem, para ele, sob o ponto de vista da abundância material, para os EUA – mas principalmente as contradições do período, que em geral despertou apenas muito otimismo, e consequentemente muita ladainha laudatória.

De fato, o objetivo é menos perscrutar as causas do vigoroso crescimento econômico da economia norte-americana mas sim quais teriam sido as “sementes da destruição”- segundo sua própria expressão- da subseqüente queda, proporcional àquele crescimento, que jogou por terra a hipótese do desaparecimento dos ciclos dada uma suposta “nova economia da informação”. Para Stiglitz, as bases sobre as quais se apoiou a “exuberância irracional” econômica dos anos noventa nos Estados Unidos foram débeis, instáveis. As tintas com que os grupos e interessados as pintaram não passavam de véus míticos; suas justificativas de que passariam a trazer crescimento econômico e distribuição de riqueza de modo perene, erradas. Leia Mais

A Economia das fraudes inocentes: verdades para o nosso tempo | John Kenneth Galbraith

John Kenneth Galbraith pertence a uma geração de economistas que marcou o século XX. Intelectual controverso, escreveu uma vasta obra na qual constam O Novo Estado Industrial e A Era da Incerteza, entre outros. Quase centenário, Galbraith encontra alento para mais um livro: A Economia das fraudes inocentes.

A princípio, o livro parece leve. São apenas 84 páginas, na edição brasileira. Onze capítulos, uma introdução e uma conclusão. Nem um gráfico. Nem uma tabela. Nem um fluxograma. Nenhuma nota de referÍncia [1]. A leitura é fácil, didática, quase sequencial. Parece-se com um livro mais despretensioso da obra de Galbraith (como Economia, Paz e Humor), mas, a certa altura, alto lá! Deparamos com o seguinte trecho:

“O sistema econômico praticado por todos os países economicamente adiantados do mundo e, em formas mais difusas, pelos demais- com exceção da Coréia do Norte, de Cuba e, formalmente, mas não de fato da China- confere o mais alto poder econômico àqueles que dominam as indústrias, os equipamentos e as terras de maior importância (p. 18). ” Leia Mais

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.3, maio 2005.

REPHE 03 – maio de 2005

  • Marx: O Problema da Transição na Crítica do Programa de Gotha
  • Lincoln Secco
  • Pequenas e médias indústrias no pensamento econômico
  • Mauricio Felippe Manzalli
  • História do Meio Ambiente como objeto da História Econômica-Sociocultural
  • Vera Lucia Travençolo Muniz
  • Oskar Lange, a ciência e a planificação econômica
  • Luiz Eduardo Simões de Souza

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.2, dez. 2004.

  • REPHE 02 – dezembro de 2004
  • A Gênese do Mercosul: uma análise empírica
  • Nilson José Dalledone Filho
  • O modelo de mercado aberto e a segunda década perdida na economia brasileira, 1991 – 2000
  • Marcos Cordeiro Pires
  • Arranjos comerciais na reconstrução do pós-guerra e suas conseqüencias para o Brasil
  • Júlio Gomes Neto
  • Censura por Influência do Mercado na Imprensa Contemporânea
  • Henrique Marques Samÿn

Revista de Economia Política e História Econômica. São Paulo, n.01, set. 2004.

REPHE 01 – setembro de 2004

  • A criação da Tribuna da Imprensa e a defesa dos interesses conservadores no Brasil
  • Marina Gusmão de Mendonça
  • Notas sobre a Ordem Econômica Mundial: 1944- 1979
  • Livio Lavagetti
  • Mercado e Socialismo na experiência soviética
  • Lincoln Secco
  • Políticas Públicas em São Bernardo do Campo, 1945-1964: uma análise empírica
  • Luiz Eduardo Simões de Souza