Em busca do Submarino U-513. Uma incrível aventura nos mares do sul | Vilfredo Schürmann

Vilfredo Schurmann Foto Maria MuinaVeja
Vilfredo Schurmann | Foto: Maria Muina/Veja

A localização do Submarino alemão U-513 está entre os maiores feitos da Arqueologia Subaquática no Brasil, considerando a complexidade para encontrar um casco soçobrado a 130 metros de profundidade, a 83 km da costa, no través da Ilha do Arvoredo, litoral de Santa Catarina. Também é uma importante contribuição à História Naval, pois encontrar barcos da Segunda Guerra Mundial que causaram tantas perdas humanas e materiais pode ter muitos significados e abrir novas linhas de investigação. A localização foi em tempo recorde, cerca de dois anos desde o início efetivo do projeto, considerando a imprecisão da coordenada registrada pelo avião da Marinha norte-americana que afundou o submarino alemão, em julho de 1943. Ou seja, não era conhecido o local exato do afundamento, daí a importância teórica e metodológica do projeto e seus caminhos para descobrir uma posição oceânica! Para dar a compreender a complexidade desta expedição científica, o livro destaca as palavras do oceanógrafo Thomáz Tessler, um dos membros da equipe: “para entendermos o quanto a área de busca é importante no planejamento”, ele fez a seguinte analogia: “é como encontrar metade de uma ervilha em um campo de futebol… você só pode enxergá-la um centímetro à sua frente, isso porque a distância entre o sensor do magnetômetro e o objeto que estamos procurando não pode ser grande”. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v.18, n.35, 2022.

Navigator1

Dossiê O mar e as lutas pela independência na América luso-espanhola

Apresentação

Dossiê

Artigos

Resenha

Documento

Publicado: 2022-06-08

5º Centenário da Primeira Volta ao Mundo: a estadia da frota no Rio de Janeiro | Paulo Roberto Pereira

Paulo Roberto Pereira 2
Paulo Roberto Pereira | Imagem: Jornal da PUC, 2017

Em celebração aos 500 anos da viagem de Fernão de Magalhães e Juan Sebastián Elcano, foi realizado, nos dias 12 e 13 de dezembro de 2019, nas dependências do Museu Histórico Nacional, na cidade do Rio de Janeiro, o seminário internacional intitulado 5º Centenário da Primeira Volta ao Mundo: a estadia da frota no Rio de Janeiro. O evento resultou no desenvolvimento do livro homônimo, organizado por Paulo Roberto Pereira (doutor em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor na Universidade Federal Fluminense) e publicado pela Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha, em 2021.

A obra, uma coletânea de 14 artigos elaborados a partir das comunicações apresentadas durante o seminário, contou com a participação de pesquisadores brasileiros e de outros países envolvidos na primeira circum-navegação, como: Espanha, Portugal, Argentina, Chile, Peru e Uruguai. A presente resenha se debruça sobre os primeiros sete artigos que compõem a obra. Leia Mais

Ações militares e instituições marítimas brasileiras: da transmigração da corte lusitana à Independência | Navigator | 2021

Brigadada Real da Marinha Portuguesa
Brigada Real da Marinha Portuguesa | Imagem: Área Militar

Faltando menos de um ano para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil, a Revista Navigator lança em seu novo número o dossiê intitulado “Ações militares e instituições marítimas brasileiras: da transmigração da corte lusitana à Independência”, organizado pelo professor doutor Fernando da Silva Rodrigues e pela professora doutora Mary Del Priore, ambos do quadro docente permanente do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Salgado de Oliveira.

Como disse Ortega y Gasset, “O passado é o único arsenal onde podemos encontrar os meios para tornar o nosso futuro eficaz”. Não nos lembramos do passado apenas por causa dele, e muito menos por um desejo de permanecer nele, por uma ânsia de imitá-lo. Foi assim que no ano de 2008 tiveram início as reflexões sobre o bicentenário de independência dos países latino-americanos, quando intelectuais de Espanha, Portugal e da América Latina voltaram ao passado procurando uma forma de interpretar o seu futuro imediato. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v.17, n.34 2021.

Navigator1

Revista Navigator – Dossiê Ações militares e instituições marítimas brasileiras: da transmigração da corte lusitana à Independência

Apresentação

Dossiê

Artigos

Comunicação

Resenha

Publicado: 2021-12-14

O Poder Naval e as disputas pelo território no Brasil Colonial (1500-1808) | Navigator | 2021

O volume 17, número 33, 2021, da Revista Navigator traz para os leitores textos sobre eventos históricos dos séculos XVI e XVII que, em conjunto, integram o dossiê “O Poder Naval e as disputas pelo território no Brasil Colonial (1500-1808)”. O dossiê teve por objetivo trazer contribuições que cobrissem conflitos entre portugueses, espanhóis, franceses e neerlandeses pelo território do Brasil, com foco nos aspectos navais, econômicos e políticos.

A proposta do dossiê surgiu a partir de uma reflexão feita após a leitura de um dos capítulos de “Os holandeses no Brasil”, escrito pelo historiador inglês Charles R. Boxer em 1957. No texto, intitulado “O mar domina o Brasil”, Boxer, assim como em outros escritos de sua autoria, mostrou a centralidade da guerra naval para o desfecho de conflitos entre portugueses, espanhóis e neerlandeses nas Capitanias do Norte do Estado do Brasil e na sede do governo colonial, Salvador. Parte das lutas entre europeus no Brasil teve origem em fins do século XVI, na sequência da guerra de independência das Províncias Unidas contra o Império Habsburgo e expandiu-se para o ultramar, com grande intensidade, ao longo do século XVII, tendo amplitudes e repercussões locais, regionais, atlânticas e globais. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v.17, n.33 2021.

Revista Navigator – Dossiê O Poder Naval e as disputas pelo território no Brasil Colonial (1500-1808)

Apresentação

Dossiê

Artigos

Documento

Publicado: 2021-05-31

A Batalha do Atlântico na costa do Brasil | Navigator | 2020

De que maneira a Segunda Guerra Mundial se descortinou no horizonte oceânico dos brasileiros? Com o intuito de responder a esta e outras problemáticas, a Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM), por meio da revista Navigator, abriu a chamada de artigos para o dossiê temático “A Batalha do Atlântico na Costa do Brasil”. Os organizadores desta edição da Navigator estão vinculados ao Programa de Pós- -Graduação em História, da Universidade Federal da Bahia, onde desenvolvem pesquisas acadêmicas sobre a referida temática.

Convém assinalar que este trabalho começou a ganhar corpo, alma e sangue em meio ao sofrimento pandêmico de 2020 e diante das sequelas do confinamento impostas pelas medidas sanitárias do governo. Esta situação de anormalidade exigiu a prorrogação do prazo das submissões ao dossiê, visto que os pesquisadores tiveram o acesso interrompido aos arquivos, bibliotecas, memoriais, museus e universidades. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v.16, n.32 2020.

Revista Navigator – Dossiê A Batalha do Atlântico na costa do Brasil

Apresentação

Dossiê

Artigos

Publicado: 2020-12-03

Navigator. Rio de Janeiro, v.16, n.31 2020.

Revista Navigator – Dossiê Os estertores da Guerra da Tríplice Aliança: momentos finais e repercussões

Apresentação

Dossiê

Artigos

Publicado: 2020-06-04

De rochedo a arquipélago: a emergência de São Pedro e São Paulo na pesquisa científica brasileira | Raimundo Arrais

Raimundo Arrais nos traz à tona um lado da história de uma das ilhas oceânicas brasileiras pouco conhecida da maioria. A sua obra retrata a importância de se analisar, do ponto de vista historiográfico, de como se deu a ocupação e permanência do Brasil neste ponto tão distante do continente.

A extensa área marítima brasileira de importância inquestionável para o desenvolvimento de uma nação já se tornou amplamente conhecida pelo conceito de Amazônia Azul, pois possui uma área equivalente a 52% do espaço terrestre, com dimensões e biodiversidades semelhantes à já tradicional Amazônia Verde. Ciente desta importância iniciou-se no País o despertar para as pesquisas científicas nas ilhas oceânicas, a saber: Ilha da Trindade e o Arquipélago de São Pedro e São Paulo. Cada uma dessas ilhas possui mais de 1.000 km de distância do continente. No entanto, o desenvolvimento de pesquisas e atividades in loco nestas regiões tem sido propiciado pelo apoio logístico da Marinha do Brasil, proporcionando uma abordagem multidisciplinar dos diversos campos da ciência e, no caso desta obra, sobre a história, importância e ocupação do Arquipélago de São Pedro e São Paulo. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v.15, n.30 2019.

Revista Navigator – Dossiê Construção, Design e arquitetura naval: o navio, o construtor, teoria e práticas

Apresentação

Publicado: 2020-05-24

Interfaces da arte no universo da história marítima e militar: estética, linguagens e representações |  Navigator | 2019

De longa data a arte relaciona-se ao universo militar. No Brasil, a guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai proporcionou aos artistas plásticos o engajamento na história presente. Foram chamados a produzirem a crônica cotidiana dos acontecimentos do front, ilustrando periódicos com suas gravuras, ou a construírem decorações efêmeras em homenagem à volta dos soldados. Pinturas monumentais, a exemplo do Combate Naval do Riachuelo, de Victor Meirelles, ou da Batalha do Avahy, de Pedro Américo, foram encomendadas, visando perpetuar a glória dos vencedores, reafirmando a força do Império brasileiro. Monumentos aos heróis foram construídos, enquanto algumas poucas pinturas e fotografias insistiram em apontar o custo humano do conflito. As Primeira e Segunda Guerras Mundiais, domínio já do fotojornalismo, não engendraram pinturas grandiloquentes no Brasil, mas alguns jovens soldados registraram em cadernos desenhos reveladores de suas emoções. Além dos conflitos, o cotidiano da vida marítima e militar foram igualmente representados.

Neste dossiê, várias linguagens se cruzam. Pinturas, desenhos, gravuras, cartões-postais, projetos arquitetônicos e canções foram analisados. São pesquisas desenvolvidas a partir de variadas fontes, mostrando forte interesse pela representação da História Militar, em seus múltiplos aspectos. Leia Mais

Navigator. Rio de Janeiro, v. 15, n.29 2019.

Revista Navigator – Dossiê Interfaces da arte no universo da história marítima e militar: estética, linguagens e representações

Apresentação

Dossiê

Artigos

Publicado: 2020-04-15

Os estertores da Guerra da Tríplice Aliança: momentos finais e repercussões | Navigator | 2020

O presente dossiê, referente ao sesquicentenário do final da Guerra da Tríplice Aliança, é de suma importância por trazer à tona reflexões inovadoras acerca daquele conflito numa tão importante efeméride. As preocupações centrais aqui foram preservar o rigor científico e a diversidade historiográfica. Para tanto, este dossiê conta com a presença de historiadores(as) independentes ou ligados às mais diversas instituições de ensino superior no Brasil e no exterior, e juristas, tratando de temas os mais variados, como tática, estratégia, logística, direito internacional, antropologia, historiografia, tecnologia (naval e terrestre, civil ou de emprego mais propriamente militar). Leia Mais

Construção, Design e arquitetura naval: o navio, o construtor, teoria e práticas | Navigator | 2019

Em primeiro lugar, não podemos deixar de agradecer, ao Conselho Editorial da revista Navigator, e em especial ao seu editor, Sérgio Oliveira, a amabilidade do convite que nos foi endereçado para organizar este dossiê, e a confiança depositada perante tal responsabilidade, que muito nos honra, assim como aos colegas e amigos, que aceitaram o desafio de colaborar neste número.

A capacidade de transpor obstáculos naturais, desde simples cursos de água e rios, aos vastos oceanos, através de diversos tipos de embarcações, é uma das conquistas mais significativas da Civilização, talvez apenas equiparável, nos nossos dias, à exploração espacial. Leia Mais

Navigator | [Marinha do Brasil] | 2005

Navigator1

As boas ideias do passado merecem “renascer das próprias cinzas” – como diziam que a fênix tinha por costume – e a Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha volta a publicar regularmente a Revista NAVIGATOR – Subsídios para a História Marítima do Brasil (Rio de Janeiro, 2005-). A NAVIGATOR – do latim, navigator, oris – é uma revista semestral e, além do propósito de prover os subsídios para a História, existe a intenção de que ela se torne um periódico que traga a contribuição de historiadores, arqueólogos e pesquisadores, servindo, também, como meio de divulgação capaz de ampliar a consciência marítima brasileira.

O objeto da História, de que se ocupa a NAVIGATOR, é o passado das atividades humanas referente ao mar e, por afinidade, aos rios navegáveis. Portanto, são parte do escopo da revista, dentro desse objeto:

  • O emprego e o aprestamento da parcela militar do poder marítimo,
    que é o poder naval;
  • As viagens marítimas e fluviais de exploração e os relatos dos viajantes;
  • O transporte marítimo e fluvial e a infraestrutura hidroviária;
  • A navegação e a cartografia náutica;
  • A colonização e as invasões que dependeram do mar;
  • A indústria naval de construção e reparação e seus produtos;
  • A indústria bélica de interesse do aprestamento naval;
  • As atividades, as organizações e os meios de exploração e explotação dos recursos do mar;
  • As atividades de arqueologia e de pesquisa arqueológica subaquáticas;
  • As atividades referentes às ilhas oceânicas brasileiras; e
  • As atividades referentes ao mar analisadas, quanto ao seu passado,
    à luz das ciências humanas, em geral.

Para que a NAVIGATOR possa divulgar artigos de elevada qualidade e rigor científico, criou-se um Conselho Consultivo de pessoas notáveis por seus trabalhos no campo da História ou da Arqueologia, que aceitaram o convite para colaborar com a revista, publicando artigos de sua autoria ou atraindo bons trabalhos de outros. A NAVIGATOR, porém, precisa da colaboração de todos que se interessam pela História Marítima do Brasil e, portanto, artigos são muito bem-vindos.

Periodicidade semestral.

Acesso livre.

ISSN 0100-1248 Impresso

ISSN 0100-1248 Online

Acessar resenhas

Acessar dossiês

Acessar sumários

Acessar arquivos