O momento tão significativo para Brasília da passagem dos seus 60 Anos, em 2020, eu quis celebrá-lo com um acontecimento marcante nos salões do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, de cuja fundação participei e, ao longo dos anos, exerci sua Presidência por três mandatos. Seria o lançamento da Enciclopédia Brasília 60 Anos.

Um livro com 790 páginas, editado pela Kelps. Recordando todos os principais momentos de Brasília, do Brasil e do Mundo, ao longo dos anos 1960 a 2020.

O lançamento seria em 15 de abril de 2020, na sede do Instituto, cujo Patrono é o Presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, fundador de Brasília. Um acontecimento que reuniria acadêmicas, acadêmicos, pioneiros amantes de Brasília e membros da sociedade desta Capital brasileira, incluindo muitas autoridades, a partir das 15 horas, no prédio monumental que simboliza Uma Nave Pousando e é a sede arquitetônica da augusta Casa de JK. Convite já impresso e pronto para a expedição. Arte de Agnês de Lima Leite e assinatura do presidente Ronaldo Poletti.

Todavia, nos primeiros dias de março de 2020, cerca de um mês antes da data comemorativa da Sessentona Brasília, 21 de abril, uma peste, um vírus devastador assombrava o mundo – o Coronavírus, que os cientistas classificaram de COVID-19.

E, logo, ele se propagou por todas as partes do mundo. Alcançou o Brasil e sua Capital Brasília. E até regiões remotas ocupadas por tribos indígenas.

Originário da China, onde primeiro afetou o ser humano. E, dali, rapidamente se propagou por todo o universo.

Uma pandemia! A pandemia provocada pelo Coronavírus. A Pandemia COVID-19.

Uma crise sanitária sem precedentes. Autoridades da saúde cuidam da ampliação de hospitais e a adequação de tratamentos ante os efeitos desconhecidos pela ciência com grandes taxas de mortalidade.

Aconselhamentos das equipes médicas recomendam o isolamento social, já que a transmissão do vírus ocorre entre pessoas. Hospitais e emergências abarrotados de doentes, muitos terminais com insuficiências respiratórias. Cientistas tentam experiências e protocolos para a descoberta de uma vacina.

A ciência impotente ante o desconhecido e o inimigo invisível. Populações, pelo mundo todo, inseguras e em pânico. Governos, especialmente.

Ante a gravidade da crise sanitária, a Pandemia da Covid-19 e o isolamento social determinado pelas autoridades médicas, o Projeto da Enciclopédia dos 60 Anos de Brasília, torna-se inviável, já que estão proibidas as reuniões públicas. Impossível comemorar-se em abril ou mesmo noutros meses de 2020, a data aniversária de Brasília Sessentona. O lançamento seria, como anunciado, na sede do IHG/DF. Mas, tornou-se impensável.

Uma inspiração divina nos conduziu a uma solução paliativa, já que a Kelps havia concluído a impressão da obra, nos primeiros dias de abril de 2020, com 790 páginas. Um trabalho documental e memorialístico de alta valia e uma apresentação gráfica primorosa.

Agora, então, o que fazer para chegar à comunidade brasiliense aquela preciosidade de Brasília, nas celebrações dos seus 60 Anos?!

Dois alvos a serem lançados:

Primeiro, uma seleção de endereços dos brasilienses à altura e potencialmente dignos de receberem a obra.

Segundo, a possibilidade de entrega dos volumes, pelos Correios, aos destinatários, com segurança.

Vencidos os dois obstáculos, a celebração dos 60 Anos de Brasília pode ocorrer com a entrega, domiciliar, a quem de direito, do livro enciclopédico comemorativo. A cada um dos eleitos, enviei este bilhete fraternal:

Com este Livro Monumento sobre Os 60 Anos de Brasília, neste abril de 2020, quero celebrar com o amigo ou a amiga e familiares, este momento tão significativo de nossa cidade-Capital, construída pelo Presidente Juscelino Kubitschek, em 21 de abril de 1960.

Passo, com muito agrado, às suas mãos, a Enciclopédia dos 60 Anos de Brasília (790 páginas), com um relato anual e completo de todos os fatos mais importantes de Brasília, do Brasil e do Mundo, de 1960 a 2019, ano a ano.

Gostaria de fazê-lo num lançamento nos salões do IHGDF; todavia, as restrições face à pandemia do coronavírus que proíbem reuniões públicas, uso este recurso do encontro via correspondência e remessa pelos Correios (EBC).

Uma repercussão compensadora. Alegria, felicidade e gestos celebrativos de todos os leitores da Enciclopédia. Manifestações pessoais, pelo telefone, pela internet ou pessoalmente. Um clima de bem-estar e felicidade!

Em conclusão, uma palavra final, em resumo, sobre o tempo de 60 Anos de Brasília e a Enciclopédia que sintetiza este tempo, que é o mesmo tempo de uma geração – 60 anos.

Esta síntese de tempo e de vida, que é minha e de Brasília, eu lhes ofereço neste pequeno trecho da Página de Abertura da Enciclopédia dos 60 Anos de Brasília:

No princípio, era o ermo! …

Assim, o poeta viu, no primeiro momento, o local escolhido para ser a futura Capital do Brasil no Planalto Central de Goiás. Idos da Década de 1950. Século XX. Assim, também o vi, o local, pela primeira vez, na mesma época. No entanto, encantei-me com o NADA!

… Um céu azul, muito azul! De lindas nuvens brancas. Muito brancas! Um chão agreste, de vegetação rasteira e árvores retorcidas. Talvez, vítimas das intempéries do tempo ou do próprio homem.

Um horizonte sem-fim ao longo de 360 graus, de Norte a Sul, de Leste a Oeste.

Um sol nascente, lá longe, bem longe, no Oriente. Raios fortes, muito fortes, até ofuscantes. Aqueceram-me o corpo e, num passo de mágica, invadiram-me a alma, com intensidade. Algo inusitado, extasiante, ao longo dos então vinte anos de vida.

Até hoje, em 2020: 60 ANOS de Brasília, Capital do Brasil e do Milênio.

Vivi o TUDO!…

Adirson Vasconcelos – Ocupante da Cadeira 27 [IHGDF], patroneada por Francisco Adolfo de Varnhagen, é sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, tendo exercido a Presidência por três mandatos. È Membro Emérito da Academia de Letras de Brasília e membro da Academia Brasiliense de Letras.


Enciclopédia Brasília 60 Anos. [Brasília]: Kelps, 2020. 790p. Resenha de: VASCONCELOS, Adirson. 2020 e a Enciclopédia dos 60 anos de Brasília. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, Brasília, n.10, p.233-236, 2020. Acessar publicação original. [IF].

 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.