O Dossiê que se apresenta neste número da Revista Brasileira de História, Arte e Linguagens, abarca múltiplas temáticas e temporalidades. No artigo de abertura, Arnaldo Contier discute, tendo por base a produção de Carlos Lyra e Edu Lobo, o projeto nacional-popular gestado na década de 1960; em seguida, Marcos Napolitano e Mariana Vilaça analisam o significado estético, social e histórico do tropicalismo e suas interfaces com a indústria cultural.

Com Tereza Aline, entram em cena as peças de Ariano Suassuna, Auto da Compadecida, e de Enrique Buenaventura, La Diestra de Dios Padre. Atentando para a ambientação, tipos, temas, microcosmo social e construção formal, o artigo discute a apropriação e a recriação da herança medieval ibérica no continente americano.

A especificidade da linguagem cinematográfica, por sua vez, é posta em evidência pela análise de uma seqüência de Os Bandeirantes (1940), filme de Humberto Mauro que produziu, segundo Eduardo Morettin, significados e sentidos nem sempre compatíveis com a expectativa de Taunay e Roquette Pinto, seus idealizadores.

Nos textos de Ricardo Marques e Sérgio Norte, a cidade é o personagem central. Com perspectivas bastante diversas, a resistência aos mecanismos de controle e condicionamento é tematizada: a Paris do século XIX versus os planejadores urbanos; a São Paulo do início deste século na percepção poética libertária.

Cândido Grangeiro conduz o leitor aos manuais de fotografias do século passado, atentando para a teia de relações que se estabeleciam entre o fotógrafo e os desejos, sonhos e fantasias do cliente, realçando os aspectos técnicos, estéticos e estilísticos que envolviam a produção de um retrato.

Do século XIX voltamos para a Florença renascentista e a poesia de Michelangelo. O processo criativo e as opiniões do mestre a respeito da hierarquia entre escultura, pintura e literatura são discutidos por Luciano Migliaccio, que ressalta o papel de Benedetto Varchi no processo de cristalização de uma determinada leitura desta lírica.

Annatereza Fabris fecha o dossiê com um texto que aborda a problemática da visualidade nas sociedades contemporâneas, tomada como uma nova escritura, alertando para o fato dos diferentes sistemas de produção de imagens remeterem a discursos peculiares que não se circunscrevem a aspectos meramente técnicos.

A diversidade presente na Seção Artigos não é menor. Bárbara Weinstein discute a recente produção norte-americana a respeito das questões de gênero, destacando os embates teóricos que a tem caracterizado; José Batista Mazieiro volta sua atenção para as representações construídas em torno da prostituição na cidade de São Paulo entre 1870 e 1920.

As relações entre técnica, trabalho e natureza na sociedade brasileira a partir da segunda metade do XIX, a supremacia das artes liberais sobre as mecânicas, a permanência de uma cultura literária e os (des), caminhos da cultura técnica no país são abordados por Hermetes Araújo. O seu artigo permite estabelecer um contraponto com o texto de Cláudio DeNipote que acompanha, por meio dos hábitos de leitura de dois intelectuais da década de 1910, a formação típica do homem de letras no Brasil

As questões que envolvem a posse da terra estão presentes nos textos de Vania Lousada, que estuda os projetos nacionalistas e de reforma agrária dos anos 50, e nas histórias de vida de ocupantes de terra na cidade de São Paulo, analisadas por João Carlos de Souza.

Os dilemas políticos atuais são o mote para Alexandre Hecker discutir a tradição democrática do socialismo brasileiro, por ele identificada ao Partido Socialista.

O presente número da Revista Brasileira de História fornece ao leitor um instantâneo significativo da produção historiográfica atual, em sua vitalidade e variedade de temas e abordagens.

Os recursos financeiros que viabilizaram a publicação foram disponibilizados pelo CNPq, ANPUH-Nacional e os núcleos de São Paulo e Santa Catarina.

Conselho Editorial


Conselho editorial. Apresentação. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.18, n.35, 1998. Acessar publicação original [DR]

Acessar dossiê

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.