Com este Número Especial a Mnemosine Revista inaugura um novo estágio em sua trajetória e sua linha editorial. Por decisão do seu Conselho Editorial e do Programa de Pós-Graduação em História, além dos seus dois números regulares anuais, serão publicados números especiais a cada ano.

Também a um fato distintivo neste número considerando, sobretudo, que a Revista prioriza textos inéditos em suas edições. Este Número Especial variou este escopo, admitindo a inserção de textos já trazidos a comunidade científica. Este fato decorreu de uma intenção específica que foi reunir em um único lugar discussões sobre o tema das relações entre o protestantismo e o Regime Militar no Brasil, com vistas a indicar a trajetória das discussões sobre tal objeto nos últimos dez anos, e acompanhar sua evolução ou eventual involução. Na verdade, o volume seria maior incluindo trabalhos pioneiros e textos publicados no exterior, mas não foi possível este intento.

Os estudos sobre a inserção do protestantismo brasileiro têm ganhado maior intensidade a partir dos anos 80. Mas a questão política não ganhou um espetro satisfatório, sobretudo, pelo fato que aas instituições religiosas tendem a restringir o acesso a documentos que, a seu juízo, possa comprometê-la. Neste particular, foram rarefeitos os estudos sobre as obscuras relações do protestantismo com o regime militar, que somente em anos mais recentes têm sido objeto de análises mais substantivas.

Assim, quase todos os textos apresentados tratam das expressões e relações do protestantismo com o Golpe Militar a partir das principais denominações religiosas, as mais antigas no Brasil, que são, em geral, reunidas sobre a tipologia de protestantismo de missão, ou, equivocadamente, protestantismo histórico, equivocadamente uma vez que todos os grupos são históricos. A exceção deste tratamento, aparece no texto trincheiras da verdade: o fundamentalismo evangélico e a ditadura militar brasileira, de Lyndon de Araújo Santos e Adroaldo José Silva Almeida, que discutem as relações protestantismo-golpe da perspectiva do fundamentalismo religioso.

O professor Vasni de Almeida, trata do ambiente metodista, e analisando “o silêncio, a defesa da ordem, a denúncia das injustiças sociais e a defesa da democracia”, demonstra como a problemática que levou a crise política e a instituição do estado militar, esteve na ordem do dia das discussões naquele grupo religioso.

Três trabalhos versam sobre a Igreja presbiteriana do Brasil IPB apoia a gloriosa revolução, de Silas Luiz de Souza, Poder e memória: o autoritarismo na igreja presbiteriana do Brasil no período da ditadura civil-militar pós 1964, de Valdir Gonzalez Paixão Junior, e Diálogos entre religião e política: discursos e práticas da Igreja Presbiteriana do Brasil (1962-1969), de Márcio Ananias Ferreira Vilela. De perspectivas diferenciadas os trabalhos tratam do apoio político material e simbólico oferecido pelos presbiterianos ao estado de autoritário, e o reflexo do modelo de autoritarismo militar instituído como modelo de gestão institucional na Igreja Presbiteriana do Brasil.

Outros três trabalhos remetem a tradição batista, Na antecâmara do Golpe. O Manifesto dos Ministros Batistas do Brasil, 1963, de João Marcos Leitão Santos, Os batistas e o governo militar: Deus salve a pátria, da professora Elizete da Silva e “O comunismo é o ópio do povo”: representações dos batistas sobre o comunismo, o ecumenismo e o governo militar na Bahia (1963 – 1975) de Luciane Silva de Almeida.

O primeiro trabalho é uma análise do Manifesto da Ordem dos Ministros Batistas do Brasil, demonstrando como, apesar de retoricamente infenso a militância política, os batistas, pelos seus ministros, apresentaram um texto destoante com o tradicionalismo político que marca o protestantismo no Brasil, surpreendendo a comunidade evangélica, e conseguindo ampla repercussão.

Os dois outros textos analisam o compromisso político que caracterizou a relação majoritária dos batistas com o novo regime, primeiro Elizete da Silva, toma o slogan “Deus Salve a Pátria” adotado pelos batistas, sugerindo que o regime deposto se caracterizava como uma ameaça a sobrevivência da pátria. Em perspectiva similar Luciane Almeida, tomando a região de Feira de Santana como referência para a experiência nacional, mostra que este agente ameaçador da pátria era o “comunismo ateu”, expondo a retórica que se estabelecia contra o comunismo nos periódicos batistas.

Nos dois trabalhos que completam este Número, estão A ASTE e a ditadura militar, de Manoel Bernardino de Santana Filho e o referido Trincheiras da verdade: o fundamentalismo evangélico e a ditadura militar brasileira, de Lyndon Santos e Adroaldo Almeida. A ASTE, instituição organizada para congregar os seminários teológicos protestantes no Brasil, possuía por isso em seus quadros agentes intelectuais privilegiados. Com a instituição do estado militar a ASTE foi atingida diretamente em seus quadros, pelas mesmas práticas que se manifestaram em outros setores, da “traição, delação, e perseguição”, esvaziando seu potencial de fórum de reflexão teológica e político-social.

Na análise de Santos e Almeida, fica esclarecida como a lógica que permeia o fundamentalismo religioso esteve na base das opções políticas do protestantismo brasileiro, que se traduziu como “movimento difuso conquistou, então, espaços e posições de poder e de controle de instituições”, “acirrando a oposição e a crítica ao comunismo, ao modernismo, ao ecumenismo, ao liberalismo moral e ao catolicismo”, discurso que se manifestou em todas as tradições religiosas protestantes majoritárias no Brasil.

João Marcos Leitão Santos – Editor


SANTOS, João Marcos Leitão. Apresentação. Mnemosine Revista. Campina Grande, v.5, n. especial, 2014. Acessar publicação original [DR]

Acessar dossiê

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.