Estudos de Gênero / Outros Tempos / 2010

A revista Outros Tempos apresenta neste número o dossiê Gênero, com um número expressivo de artigos de pesquisadoras de diferentes regiões do país, tratando de temas variados no campo dos estudos de gênero, desde o homoerotismo feminino, trabalho doméstico, chefia feminina de família, escrita de autoria feminina, educação, violência de gênero, até representações da moda feminina.

Tratando da violência de gênero, temos três trabalhos. A pesquisa de Cláudia Priori aborda a violência de gênero por meio da análise das queixas registradas na Delegacia Especializada na Defesa da Mulher, no município de Maringá, entre 1987 e 1996; o estudo de Mayana Hellen Nunes da Silva, trata de crimes passionais ocorridos no Maranhão, na década de 1950, utilizando como fonte os registros feitos nos jornais da época; já o trabalho de Tânia Regina Zimmermann aborda as representações de violência e relações de gênero contidas no romance Memorial de Maria Moura, da escritora Rachel de Queiroz.

A temática sobre família, reprodução social e trabalho doméstico encontra-se representada no estudo de Dolores Pereira Ribeiro Coutinho, sobre chefia feminina de família e produção da vida em Campo Grande – MS no final do século XX e no estudo de Soraia Carolina de Mello sobre o trabalho doméstico das donas de casa, utilizando as discussões feministas no Cone Sul, entre 1970 e 1989.

O trabalho de Rafaela Basso analisa alguns aspectos da escrita da história de Natalie Zemon Davis, historiadora norte-americana contemporânea, presentes no livro Nas Margens; já a pesquisa de Régia Agostinho da Silva aborda a autoria feminina no século XIX com um estudo sobre a atuação da escritora Emília Freitas no mundo da letras. A educação feminina em São Luís na Primeira República é o objeto central do artigo de Tatiane da Silva Sales, que apresenta imagens, discursos e representações sobre as mulheres nesse período e delineia algumas possibilidades para a emancipação feminina a partir da ampliação de oportunidades no sistema educacional. O artigo de Juscelina Bárbara Anjos Matos sobre imagens de mulher e representações da moda em Vitória da Conquista –BA, entre 1950 e 1965, aborda as relações de gênero e construções identitárias por meio da análise do vestuário feminino.

Por último, temos uma abordagem inovadora no estudo de Cristiane Demarchi sobre as imagens pictóricas da poetisa grega Safo, sob o pano de fundo do erotismo, onde a autora aborda o homoerotismo feminismo e o voyeurismo masculino. Todos esses trabalhos comprovam o grande crescimento dos estudos de gênero nos diversos campos das ciências humanas e sociais, representadas neste dossiê, com destaque para a área de História, bem como a qualidade das pesquisas que vêem sendo desenvolvidas no país.

Além do dossiê, a revista publica ainda neste número seis artigos livres, que versam sobre temáticas variadas. O estudo de André Dioney Fonseca trata da contribuição da Nova História Cultural aos estudos do movimento pentecostal no Brasil; Arlindyane Santos aborda as formas e estratégias utilizadas pelos oficiais camarários para reinventarem localmente a idéia de nobreza no Maranhão colonial, denominando-os de “Senhores do Senado”. A pesquisa de Jeane Carla Oliveira de Melo e Rita de Cássia Gomes Nascimento problematiza a presença feminina no trabalho filantrópico em relação à infância pobre da cidade de São Luís, através do estudo da atuação das chamadas Damas de Assistência no Instituto de Assistência à Infância do Maranhão na primeira metade do século XX.

A pesquisa de Tiago Kramer de Oliveira analisa a relação entre a obra Vigiar e Punir, do filósofo Michel Foucault, e a produção do conhecimento histórico, a partir da análise e críticas de vários teóricos. O estudo de Vitória Azevedo da Fonseca propõe considerações sobre as relações de alteridade estabelecidas entre o relato de Hans Staden e suas posteriores adaptações em releituras cinematográficas. Por fim, o artigo de Leandro Francisco de Paula destaca o recrutamento de pretos e pardos em Minas Gerais na segunda metade do século XVIII, no momento de intensificação dos conflitos luso-castelhanos nas partes meridionais da América portuguesa.

Este número da revista se completa com a resenha de um documento e dois filmes-documentários, além de uma síntese de tese de doutorado. O documento “Cerimônia de coroação de Dom João II, quando do falecimento, em 1481, de Dom Afonso V, rei de Portugal”, foi resenhado por Fabio Henrique Gonçalves. Já a resenha de Marta Gouveia de Oliveira Rovai aborda os dois documentários das cineastas holandesas Ilse Van e Femke van Velsen, em Fighting the Silence (2007 / 2008) e Weapon of War (2009 / 2010), que tratam da experiência dolorosa e traumática do estupro de mulheres no Congo. Por fim, a síntese da tese “Violência e Gênero em Notícias do Oeste Paranaense (1960-1990)”, de Tânia Regina Zimmermann, professora da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, cujo fio condutor, como destaca a autora, foram as representações sobre relações de gênero e violência na imprensa escrita e falada do Oeste do Paraná.

Finalmente, agradecemos aos que contribuíram para a publicação deste número da revista e para o sucesso do dossiê gênero, cujo crescimento da produção historiográfica com base nessa categoria de análise tem resultado em um debate fértil para o campo de conhecimento da História.

Convidamos a [email protected] para uma prazerosa leitura.

Elizabeth Sousa Abrantes

Carlos Alberto Ximendes


ABRANTES, Elizabeth Sousa; XIMENDES, Carlos Alberto. Editorial. Outros Tempos, Maranhão, v. 7, n. 9, 2010. Acessar publicação original [DR]

Acessar dossiê

 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.